Oficina

António Felizardo faz abajures à medida na Oficina, negócio que tem com Helena Felizardo. Há também criações na Casa da Baia.
Abajures dos Paços do Concelho.

Não há definição de arte porque ela surge sempre das mãos do artista. Não há também duas obras iguais porque cada pintor, escultor ou desenhador tem um traço próprio e o do setubalense António Felizardo, 61 anos, é tão singular que é reconhecido desde que começou a fazer abajures, ainda em miúdo. É um autodidata e a paixão que move montanhas, a António, no auge dos seus 20 anos, moveu a começar um negócio de decoração que lhe trouxe, ao longo do tempo, uma grande carteira de clientes, vários pedidos e até um convite internacional. Recebeu uma proposta, no ano de 2009, para fazer um projeto em Angola numa altura de expansão e desenvolvimento daquele país, principalmente na construção de grandes casas e hotéis luxosos. Era uma proposta irrecusável e quando retornou a Setúbal, em 2011, após concluir o seu trabalho em África, reabriu o espaço que tinha, mas renovado e com novo nome e nova sócia: Helena Sobral, 46 anos, que reside em Palmela. Passou a chamar-se Oficina. Fazem ainda upcycling e estufagem. 

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua Álvaro Perdigão, N.º3, Loja 34D
    2900-163 Setúbal
  • HORÁRIO
  • Sempre aberto

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA