opinião

Opinião: Quando um regresso se torna uma experiência para a vida

Leia a crónica exclusiva do chef Felipe Salles para a New in Setúbal.
Mercado do Livramento.

Já me tinha aventurado a viver em Portugal há uns tempos, mas uma oportunidade de estudo e trabalho chamou-me mais para o norte na Europa. Faltava-me o calor do sol e das pessoas e, quando decidi voltar às terras lusitanas, Setúbal foi-me apresentada com entusiasmo em fotografias, artigos de jornais e histórias contadas ao telefone.

Falaram-me do crescimento turístico nos últimos dez anos, da proximidade com a capital, da frescura do peixe, da qualidade dos vinhos, do famoso choco frito e das personalidades que saíram da cidade para o mundo. Mostraram-me a serra da Arrábida e as praias de perder o fôlego e, para um bom brasileiro a morar há alguns anos na temperamental e fria Dublin, seria impossível não tentar surfar por essas bandas.

E cá estou eu passados quase três anos. Não tinha experiência em hotelaria e comecei por aí. Uma experiência fantástica e mais um objetivo alcançado no meu currículo, mas o que me fez realmente apaixonar por Setúbal foi assumir a cozinha do restaurante Xtoria, um projeto pioneiro, desafiante e que traz à tona o melhor que a cidade pode oferecer.

Um local onde passei a olhar nos olhos dos outros e a ver os sonhos que conduzem os desafios. ‘Gente como a gente que acredita’, desde os clientes que se tornaram amigos do coração aos fornecedores que nos trazem diariamente os melhores produtos que Setúbal tem para oferecer ao mundo.

É quase um clichê um brasileiro dizer que somos um povo parecido e é impossível não voltarmos aos livros de história para confirmar o porquê das semelhanças, mas depois de quase três anos em terras setubalenses, creio que o segredo desta cidade está nas pessoas. É o Sr. Manuel, a D. Maria ou o Sr. Joaquim, entre tantos outros, que fazem com que, independentemente da nossa origem e das nossas diferenças, nos sintamos em casa.

E por falar em casa, é nela que aprendemos a crescer e construímos um lar e foi aqui, em Setúbal, que aprendi até a gostar de choco. No início, era a textura que não me convencia. Hoje em dia é uma questão de juntar os amigos à mesa para comer essa iguaria tão representativa na cidade.

Mas há tanto mais que nos enche a alma. Entrar no Mercado do Livramento, sentir os cheiros e ir comer uma bifana com licor de ginja que, tal como os meus amigos do restaurante me ensinaram, sabe tão bem às oito horas da manhã.

Como chef de cozinha, ter o privilégio de ter um espaço com a qualidade do Mercado do Livramento literalmente no quintal de casa, só me faz querer andar pelas bancas, conversar com as pessoas, aprender tantas coisas. Esta atmosfera abraça-me, inspira-me e é sempre um prazer poder fazer parte dela, experimentando novos sabores, combinações e texturas com tantos ingredientes que são tão familiares.

Relembra-me um pouco a minha infância quando ia com meus pais a uma feira de rua muito tradicional no Brasil e poder sentir essa sensação aqui, faz-me ter a certeza que estou no lugar certo. A ti, Setúbal, que consegues acolher-nos a todos com a tua essência forasteira e desapegada, mesmo com os teus costumes tradicionais, tornaste-te a minha morada e fazes-me lembrar todos os dias que o caminho é nosso e só se faz caminhando. Obrigado.

Felipe Salles é o chef executivo do Restaurante Xtoria.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA