opinião

No Pinga Amor comemos as maravilhas do verão durante o ano inteiro

Há sapateiras, ostras, camarões e muito mais. Tudo fresco, a chamar por nós.
Aqui há marisco fresco.

No jogo do Trivial, a pergunta seria para ganhar queijinho. Afinal, onde ficam as melhores praias de Portugal? A resposta não precisaria de ampulheta a contar. É para Setúbal que vai o meu abraço, diz António Severino na canção e eu também sem hesitar. 

Na cidade do rio Sado é onde se passam os melhores dias de verão. Depois de mergulhos no mar e de uma viagem obrigatória pela linda Arrábida, acabamos a tarde em restaurantes como o Pinga Amor, no bairro Santos. 

Estamos em dezembro e calor nem vê-lo, como se diz em linguagem popular, mas as saudades de comer bom marisco levou-nos a ir até lá festejar sete anos de uma relação feliz. Mal entrei no Pinga Amor senti-me de fato de banho vestido e toalha na mão. 

A montra do marisco estava tão cheia como se lá fora estivessem 40 graus, o que é logo um bom convite para ficar naquela casa. A sala ampla do restaurante e o número grande de empregados fazem-nos estar confortáveis. Afinal, não vamos ter de esperar cinco minutos para conseguir pedir uma garrafa de água. 
 
Já sentados começaram as indecisões. Apetecia-nos o marisco, bem sabemos, mas os pratos de tacho também pareciam chamar por nós. E as tábuas com carnes que víamos seguir para as mesas também estavam apetitosas. 
 
Acabámos por escolher a clássica sapateira e muitos camarões (gambas, vá) que sabiam mesmo a mar. Para a jogada final pontapeámos umas ostras e depois o árbitro apitou. Ganhou o Pinga Amor com o devido mérito. Ponto final. 
 
Aproveite e leia o artigo sobre tudo o que pode provar no Pinga Amor.
tags: crónica, Pinga Amor