na cidade

Treinos em ginásio ou outdoor? As vantagens e desvantagens durante a pandemia

O personal trainer Pedro Santos, licenciado em Ciências do Desporto, explicou as principais diferenças.
O mais importante é mesmo não ficar parado.

Depois de várias semanas de confinamento, o mundo divide-se agora em dois tipos de pessoas: as que seguiram uma alimentação saudável e aproveitaram para treinar em casa durante a quarentena; e as que aproveitaram este tempo extraordinário para relaxar e acabaram por cometer alguns excessos alimentares.

Seja como for, o regresso gradual à normalidade obriga-nos agora a enfrentar as consequências que estes novos hábitos tiveram no nosso corpo. Para aqueles que procuram agora retomar uma rotina de treinos e voltar ao foco, uma das principais dúvidas prende-se com o local ideal para o fazer numa realidade pós-pandemia.

Os ginásios já reabriram em todo o País com novas medidas de higiene que pretendem proteger os seus utilizadores do vírus e garantir a segurança de todos, mas há muitos especialistas que acreditam que os ambientes ao ar livre são os melhores para garantir o distanciamento social e diminuir o risco de contágio.

De forma a perceber as vantagens e desvantagens dos treinos em ginásio em relação ao outdoor nesta nova realidade, a NiT falou com Pedro Santos, de 28 anos, personal trainer há cinco anos e licenciado em Ciências do Desporto pela Universidade do Porto, com um mestrado em ensino de Educação Física.

Mais importante do que estabelecer este paralelismo de treinar dentro ou fora de um espaço físico é a existência de uma maior consciencialização de que treinar traz inúmeros benefícios à sua saúde e recomenda-se. Seja onde for”, começa por explicar.

Na sua profissão, Pedro desempenha funções tanto em espaços fechados como outdoor, mas garante que “embora ainda exista alguma resistência por parte das pessoas em entrar dentro do ginásio, é importante salientar que é seguro voltar”. 

“Com a situação da Covid-19, as regras para usufruir do espaço são mais apertadas de modo a garantir a segurança dos sócios. Toda essa segurança passa pela desinfeção das mãos e do calçado à entrada  e a utilização de máscara nos corredores”, sublinha o personal trainer.

Uma das grandes vantagens do ginásio, revela, é o facto de as condições climatéricas serem controladas: “Em outdoor estamos sempre dependentes de estar bom tempo ou não. Se chover, dificilmente vemos alguém a treinar nos parques públicos.”

No entanto, Pedro Santos acredita que os treinos nos dias de sol são mais apelativos ao ar livre, já que nesse contexto é possível “aproveitar a natureza”.

Para um principiante, o ideal é mesmo optar pela inscrição num ginásio, onde pode sempre existir o apoio de algum instrutor ou personal trainer. “No outdoor não acontece isso”, sublinha. “Se for necessário trabalhar algum grupo muscular específico, o ginásio tem uma maior disponibilidade de equipamentos“, acrescenta ainda Pedro Santos, destacando a importância de ter o acompanhamento de um profissional para conseguir bons resultados nos treinos ao ar livre, uma vez que os recursos disponíveis são mais reduzidos.

View this post on Instagram

Boa semana de treinos! Começa hoje!

A post shared by Pedro Santos (@pedrosantos_pt_) on

Em relação ao tema das aulas de grupo, também aqui os clubes de fitness somam pontos. Segundo o PT, estes têm uma maior quantidade e variedade do que a a alternativa ao ar livre. “Neste momento, os ginásios estão com um número reduzido de inscrições de forma a garantir a distância de segurança necessária”, explica sobre as medidas extraordinárias para travar a pandemia.

“A higienização do material no ginásio é uma constante por parte do staff e tentamos incutir os mesmos comportamentos aos sócios. É necessário olharmos por nós e pelos outros e nesse ponto é importantíssimo tornarmo-nos nos melhores agentes de saúde pública possível”, diz. “Em contrapartida, no espaço outdoor, não sabemos que material pode estar desinfetado ou se a realização de exercícios em determinados espaços é segura.”

No entanto, o indoor também pode ter os seus inconvenientes pós-pandemia e Pedro Santos destaca a lotação máxima que foi agora estipulada em muitos espaços. “Como não é possível ter tanta gente a treinar dentro do ginásio, pode mesmo acontecer uma pessoa só ter determinada hora para treinar e não ter a possibilidade de entrar. Nesse aspeto, o outdoor está à frente — não são necessárias ‘vagas’ para os treinos”.

Ainda nesse mesmo tema, o personal trainer destaca o inconveniente das máquinas, pelas quais é necessário esperar se estiverem a ser utilizadas. “No exterior podemos não ter o equipamento disponível, mas com apoio de um PT esse problema deixa de existir, porque a qualidade do treino será garantida”.

Já em relação às vantagens do outdoor, Pedro Santos destaca a ausência de mensalidade como um dos principais benefícios, mas também o maior espaço livre, ideal para quem “não gosta de estar num meio com muita gente”. 

“Posto isto, podemos ver que é tão bom treinar no ginásio como outdoor se formos conscientes. A orientação de um PT pode existir nos dois lados e, se este for competente e tiver o material necessário, tem a garantia da mesma qualidade de treino seja ela em que ambiente for”, conclui o profissional.

View this post on Instagram

One more step 💯

A post shared by Pedro Santos (@pedrosantos_pt_) on

tags: Covid-19, desporto, ginásios, pandemia, treinos outdoor, vantagens

outros artigos de na cidade

mais histórias de Setúbal