na cidade

Setúbal une-se a Palmela e Sesimbra para valorizar a Arrábida

A marca Território Arrábida — Património Partilhado foi apresentada esta quarta-feira, 29 de maio, no Convento da Arrábida.
A valorização do património cultural, acessibilidades, saúde, bem-estar e inclusão social são alguns dos eixos estratégicos.

Os municípios de Setúbal, Palmela e Sesimbra apresentaram oficialmente a marca Território Arrábida — Património Partilhado esta quarta-feira, 29 de maio, no Convento da Arrábida. O projeto intermunicipal de cooperação entre os três municípios, que partilham o recurso natural da Serra da Arrábida, traduz-se num conjunto de ações concretas nas áreas de valorização do património cultural e turístico, acessibilidades, mobilidade suave, saúde, bem-estar e inclusão social. Todos eles são co-financiados pela União Europeia, no âmbito do Portugal 2020.

Para a concretização das medidas, foi constituído o GIM (Grupo de Trabalho Intermunicipal Palmela, Sesimbra e Setúbal), que segundo Álvaro Amaro, presidente da Câmara Municipal de Palmela “nasceu da vontade política dos três municípios, que reconhecendo o potencial e necessidades do Território Arrábida decidiram partilhar a governação, com base em projetos concretos de forte impacto nos seus Concelhos, que vão além das fronteiras administrativas”.

Esta visão estratégica centra-se em quatro áreas de desenvolvimento da Península de Setúbal com vista à captação de investimento através dos fundos comunitários. São elas o património, mobilidade suave, acessibilidades, saúde e inclusão.

Francisco de Jesus, autarca de Sesimbra, explicou ainda que “no âmbito dos quatros eixos estratégicos foram definidas quatro operações, algumas delas já executadas”. O PRARRÁBIDA — Plano de conservação, valorização e promoção do património histórico, cultural e natural da Arrábida, o HUB10 — Plataforma Humanizada de Conexão Territorial, o CICLOP7 — Rede Ciclável e Pedonal da Península de Setúbal e o PRIA — Percursos em rede para a inclusão ativa.

O objetivo do PRARRÁBIDA, que inclui 14 medidas é a valorização do património natural, aumento da atratividade turística e melhoria da qualidade de vida das populações. O projeto Janelas da Arrábida como Centros de Interpretação do Território, onde foram identificados os equipamentos da Fortaleza de Santiago (Sesimbra), Casa da Baía (Setúbal) e Espaço Fortuna (Palmela), a consolidação de percursos turísticos em Palmela, Sesimbra e Setúbal e a introdução de sistemas de apoio ao visitante são alguns exemplos das ações. O investimento total é de 2,6 milhões de euros.

A destacar ainda a HUB 10 — Plataforma Humanizada de Conexão Territorial, com a melhoria do troço da EN10 no plano da mobilidade, que representa um investimento na ordem dos 2,4 milhões de euros. E o CICLOP7 com a criação de uma rede ciclável e percursos pedonais complementadas pelo uso de transportes públicos.

Neste momento estão em execução cerca de 14 troços distribuídos em 32 quilómetros pelos três municípios num investimento total de 4 milhões de euros. E para terminar o PRIA — Percursos em rede para a inclusão ativa voltado para a melhoria das respostas sociais. Inclui 10 medidas, como o Observatório Sénior Intermunicipal e os percursos de vida saudável de combate à doença mental. O investimento nestas áreas é de cerca de um milhão de euros.

Os quatro eixos contam com o co-financiamento do Programa Operacional da Região de Lisboa (Lisboa 2020), através do FEDER e FSE integrados no Pacto de Desenvolvimento Territorial da Área Metropolitana de Lisboa (PDCT-AML) e no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU). 

Para Maria das Dores Meira, presidente da Câmara Municipal de Setúbal, o Território Arrábida é “uma ideia e espaço que nos unem e provocam uma vontade de construir um futuro através da prática de uma gestão conjunta do território”. A responsável pelo executivo camarário sadino falou ainda das metas futuras da estratégia para 2030, como a elevação da Arrábida ao estatuto de Human & Happy Smart City e a garantia da sustentabilidade económica e de desenvolvimento do território.

Fique a conhecer o que é o Território Arrábida – Palmela, Sesimbra e Setúbal.

Hoje foi apresentado o Projeto Intermunicipal Território Arrábida – Património Partilhado. Fique a saber a razão de ser deste projeto.

Publicado por Município de Setúbal em Quarta-feira, 29 de maio de 2019

tags: medidas, palmela, Portugal 2020, projeto intermunicipal, sesimbra, setúbal, Território Arrábida - Património Partilhado