na cidade

Patrícia Lima: a jovem que toca guitarra clássica e foi eleita Miss Setúbal 2021

A setubalense é guitarrista, bailarina e ginasta. Venceu o concurso distrital e pode vir a ser a Miss Queen Portugal.
Patrícia Lima é de Setúbal e tem 19 anos.

Mais do que uma cara bonita e um sorriso contagiante, Patrícia Lima é uma verdadeira artista de palco. Se não está a tocar guitarra, está a fazer artes performativas. Desde cedo interessou-se por ginástica rítmica e, mais tarde, entrou para o mundo da dança.

A jovem setubalense, de 19 anos, foi eleita Miss Setúbal 2021 em outubro e está apurada para a gala nacional de eleição da Miss Queen Portugal. A New in Setúbal esteve à conversa com a jovem e descobriu que é apaixonada pelo universo do espetáculo. 

A ideia de participar no concurso da Miss Setúbal foi muito espontânea. Não era nenhum sonho de miúda, mas desde pequena que sempre teve o bichinho dos desfiles de moda e adorava estar em frente às câmaras e tirar fotografias. Foi na casa dos avós que descobriu que a sua tia tinha participado numa competição do género nos anos 80. 

“O meu avô mostrou-me umas fotografias e senti um orgulho enorme vindo dele quando estava a falar da minha tia. Contou-me como tinha sido o processo do concurso e decidi que queria fazer uma homenagem à família”, conta à NiS Patrícia Lima. 40 anos depois, o avô voltou a ficar de coração cheio, mas desta vez foi com a vitória da neta neste concurso.

Candidatou-se à competição no verão do ano passado e, antes da final, teve que cumprir três desafios. O primeiro foi o “Covid Save”, em que as concorrentes tiveram de fazer uma publicação nas redes sociais a alertar para os cuidados a ter com a pandemia. O “Miss Queen Be Yourself” foi o segundo desafio e o objetivo era passar uma mensagem de autoaceitação. Por último, o terceiro desafio foi sobre o ambiente.

Patrícia foi eleita Miss Setúbal 2021 no dia 18 de outubro de 2021, sem nunca ter desfilado antes. Foi apenas no dia da final que as concorrentes tiveram os workshops para aprenderem a desfilar e a pousar e que treinaram para os três desfiles: um com roupa casual; outro com um vestido mais curto e informal e o último com um vestido de cerimónia. 

Apesar de nunca ter desfilado antes, o truque de Patrícia Lima para mostrar confiança em cima da passerelle foi apenas ser ela própria. “Já tinha feito sessões fotográficas, mas nunca tinha desfilado. Senti-me confiante e com poder. E ter confiança é meio caminho andado para o sucesso”, explica a setubalense. 

O dia da final.

Além do desfile, as concorrentes fizeram também uma entrevista com a câmara, onde é testada a forma de falar e o à vontade de cada uma. Foi nessa altura que a jovem revelou que o desafio que mais gostou de fazer foi o “Miss Queen Be Yourself”. “Eu sou bailarina, então fiz uma coreografia com uma música que representa bastante a mulher, fui para a 7.ª Bateria do Outão e gravei lá o vídeo”, conta.

Com oito anos entrou para a ginástica rítmica no Vitória Futebol Clube e, há cerca de quatro anos, começou a desviar-se mais para a arte da dança. O contemporâneo e o jazz, que acabam por “misturar elementos da ginástica”, são os estilos favoritos da bailarina. 

Chegou a fazer um curso de artes performativas na OF Produções e passou o Natal a animar os dias das pessoas que passavam pela Wonderland Lisboa. Foi no ano passado que se estreou no circo, depois de ter sido convidada para fazer parte do espetáculo de Victor Hugo Cardinali como bailarina. 

“Foi uma experiência incrível porque trabalhei com bailarinos muito mais experientes e com mais pedalada por assim dizer. Era a mais nova e sentia-me muito privilegiada por estar ali”, revela a setubalense. Se já tinha o bichinho pelo mundo do espetáculo, depois desta experiência não quer outra coisa.

Paralelamente à dança, Patrícia Lima também é guitarrista. Tudo começou no quarto ano quando ficava sentada nas escadas do colégio a ouvir os colegas a tocar guitarra. A avó, que trabalhava na mesma escola, apercebeu-se da situação e decidiu pagar aulas de guitarra à neta. 

Começou então a aprender a tocar este instrumento de cordas e o professor de música viu que “havia ali algum potencial”. Fez audições para o Conservatório no quinto ano e por lá ficou até terminar o secundário. Agora, estuda guitarra clássica na Universidade de Évora e tem a certeza que é isso que quer seguir no futuro. 

Estes dois interesses da jovem setubalense podem também ter sido fatores decisivos na altura de escolher a Miss Setúbal. Até porque, além da beleza e da performance, a competição dá muito valor à forma como as concorrentes falam, à sua personalidade e carisma, sem esquecer os desafios que tiveram de enfrentar e a maneira como passaram as mensagens para o público.  

“Sermos nós próprios é fundamental e é essa a mensagem que pretendo passar também. É muito importante termos objetivos e estou sempre a tentar criar desafios novos para mim. Não tinha necessidade de participar no concurso, mas quis sair da minha zona de conforto e desafiar-me”, sublinha. 

Patrícia Lima vai disputar este ano a competição da Miss Queen Portugal 2021, que estava marcada para dezembro do ano passado mas que foi adiada por causa das restrições da pandemia. Ainda assim, a setubalense já se anda a preparar para atingir o seu próximo objetivo: sair de lá com mais um título. Se quiser votar na setubalense, basta estar atento ao canal de Youtube, Instagram e à página oficial do concurso.

A final do concurso distrital foi no dia 18 de outubro de 2021.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA