na cidade

Há um novo serviço em Setúbal que o ajuda a entender melhor o seu animal

Maria Dias é a responsável pelo K&S Behavior, um projeto que auxilia os donos a lidar com os comportamentos dos patudos.
Maria tem a ambição de salvar os animais do abandono e eutanásia.

Maria Dias, de 37 anos, nasceu em França mas está em Portugal desde os 13. Viveu em Guimarães até aos 26 anos até que decidiu vir para Lisboa em busca de oportunidades de emprego. Como não queria desligar-se do francês, quis trabalhar em locais que a permitissem falar esta língua. Não levou muito tempo a regressar ao país de origem. Começou por estar num call center ainda em Portugal e, em 2019 regressou a França para integrar o Banco Nacional de Paris.

O que não esperava era que surgisse uma pandemia mundial, que a fizesse estar em casa fechada com o seu gato e o seu cão, em França, enquanto o seu marido residia em Portugal. Estiveram sete meses separados. “Decidi começar a dedicar-me a algo extra que me ajudasse a ocupar a mente e a ultrapassar esta fase difícil”, conta à NiS.

Sempre adorou animais e questionava-se muitas vezes sobre o porquê de os seus animais terem determinados comportamentos, como por exemplo a razão pela qual não eram tão sociáveis quando, na verdade, já tinha tido outros cães que apresentavam o comportamento oposto.

Com este pensamento na cabeça, Maria Dias quis apostar na formação. Primeiro frequentou um curso num centro europeu de formação em França, na qual obteve com sucesso o primeiro certificado e voltou a frequentar um ano de curso nesse centro.

Entretanto regressou a Portugal e voltou a trabalhar na área das telecomunicações, e simultaneamente, frequentava um segundo curso online enquanto ia praticando gratuitamente com cães de pessoas que necessitavam de ajuda na área comportamental para ganhar experiência e lançar-se na área se visse que obtinha resultados. “Por muito impressionante que possa ser, os resultados estavam lá. Com essa certeza, decidi desistir de tudo na minha vida para fazer o que realmente gosto”.

Criou o site, as páginas do Facebook e Instagram, e iniciou o projeto K&S Behavior, no qual disponibiliza os serviços de educação canina, terapia comportamental, pet sitting e dog walker. No programa de educação canina, desenvolve-se a aprendizagem e a obediência do cão, e este serviço é para qualquer idade. Embora, nos cães mais velhos, possa levar mais tempo, mas é perfeitamente possível.

Quanto à terapia comportamental trata-se, por exemplo, de cães com ansiedade de separação, agressividade, entre outros problemas. Há vários exercícios para ajudar os animais nesse sentido. No pet sitting, o serviço consiste em cuidar dos animais enquanto os donos estão de férias, ou simplesmente não têm essa possibilidade durante algum momento. Por fim, o dogwalker, é um serviço em que Maria Dias se disponibiliza para passear os cães, caso o dono não tenha disponibilidade.

Uma das ideias-chave que Maria Dias pretende transmitir é que o seu trabalho não passa só pelo animal. “80 por cento do meu trabalho é com as pessoas e os restantes 20 por cento são dedicados ao cão”, refere. A ideia é demonstrar as técnicas para que o dono seja autónomo e possa fazê-las sozinho. “O meu grande objetivo é que o dono, na minha ausência, possa trabalhar com o cão e saber o que fazer em qualquer tipo de situação”, explica.

A terapia comportamental também é dedicada aos gatos, apesar de não haver tantos problemas deste foro nestes felinos. Normalmente, uma das grandes dificuldades com os gatos é a ansiedade quando passam pela mudança de território ou agressividade. “É possível controlar isso”, afirma.

Um dos objetivos do projeto K&S Behavior é salvar o máximo de cães e gatos de abandono e da eutanásia e o maior causador disso é o humano, simplesmente porque, por vezes, não entende o comportamento dos animais. “Um cão precisa de complementar os seus instintos, de explorar, de cheirar, de socializar. Se, por algum motivo os privamos disso, vão desenvolver problemas comportamentais”, explica Maria.

Para evitar que os animais desenvolvam algum tipo de comportamento problemático é preciso entendê-los e respeitar as suas necessidades. Caso contrário, podem desenvolver traumas e frustrações. “Quando vamos buscar um animal, não podemos pensar que é ele que tem de se adaptar a nós porque é completamente o contrário. Nós temos a capacidade de pensar e entender as coisas, eles não”, reforça.

Nos seus serviços, Maria Dias trabalha com o método positivo, ou seja, sempre que o cão desempenhar um bom comportamento tem uma recompensa. Quando tem um mau comportamento, é aplicado o método não permissivo através de sanções, como por exemplo provocar um barulho desconfortável para que o cão associe esse som a algo que não deve fazer. “Não se tratam de sanções dolorosas, até porque sou anti-violência completamente”, indica. Nunca se deve agredir o animal por um mau comportamento.

Maria Dias desempenha os seus serviços por zonas. O Instituto Politécnico de Setúbal é o ponto de referência e daí a 15 quilómetros é a zona um, de 16 quilómetros a 30 quilómetros é a zona dois, e de 31 quilómetros a 40 quilómetros é a zona três. O preçário altera-se consoante as deslocações que são sempre ao domicílio. Para entrar em contacto com Maria Dias pode consultar a página da K&S Behavior onde encontra as informações de horários e contactos.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA