na cidade

Há 3 portuguesas entre as melhores praias secretas da Europa (não conte a ninguém)

O novo ranking da European Best Destination mostra as enseadas que poucos conhecem, mas que são verdadeiros paraísos para banhos.
Foto: Alma de Aventureiros.

Uma praia tranquila, longe da agitação à beira-mar e dos miúdos a correr e a atirar areia para todo o lado, e dos níveis de ruído que quase ultrapassam o suportável. Aquilo que muitos sonham encontrar nos tão merecidos dias de descanso, raramente corresponde à realidade. O problema é comum à maioria dos areais portugueses, sobretudo nos mais concorridos quando as temperaturas sobrem.

Contudo, embora sejam raras, ainda existem praias que não se enchem de toalhas no verão, seja porque são pouco conhecidas ou de difícil acesso — e em Portugal há algum desses exemplos.

Como já é habitual, a European Best Destinations (EBD) chegou para salvar as férias dos turistas que só querem passar um dia descansado numa praia quase deserta e de beleza única. O novo ranking divulgado mostra as “praias escondidas, enseadas secretas e praias que os locais não querem que conheça”, diz a “Forbes”.

Algumas delas, contudo, são escondidas e difíceis de alcançar, pelo que requerem algum esforço para chegar lá — mas tudo isso faz parte da experiência. Só precisa de estar disposto a investir um pouco mais que o habitual para conquistar um areal deserto.

“Nem sempre são de fácil acesso porque estão algumas estão localizadas em ilhas europeias. O que elas oferecem é tranquilidade inestimável, privacidade, beleza pura e águas cristalinas”, escreve a EBD. A lista inclui seis praias na Grécia, o país que mais apareceu na lista, quatro em Espanha e três em Portugal.

Uma delas, e ainda que no último lugar da lista, está situada em pleno Parque Natural da Arrábida. Por se encontrar num estado quase selvagem, não existem acessos por estrada nem infraestruturas de apoio no pequeno areal de Alpertuche. 

“Esta praia é realmente escondida, pequena, e irá proporcionar-lhe o máximo de privacidade. O percurso é magnífica, entre mar e serra num parque natural preservado, e a chegada a esta praia secreta é inesquecível”, destaca a plataforma. Com muitas pedras e de águas límpidas, serve principalmente os moradores. O acesso faz-se por uma estrada de areia que se localiza a cerca de 100 metros do cruzamento para o Portinho da Arrábida.

Ainda pouco conhecida, começou por ser um recanto onde algumas pessoas iam a banhos ou faziam pesca à linha. Um dos destaques é a pequena casa em frente ao mar, um vestígio de outros tempos, quando grupos de amigos e famílias construíam, de forma ilegal, propriedades deste género para passarem férias, segundo o site “Alma de Aventureiros”.

Muitas delas foram demolidas, mas outras, como esta, foram legalizadas. Hoje é um dos símbolos da praia da Arrábida. Quem a visita costuma passar também pela Lapa da Capela de Santa Margarida, uma gruta natural com uma capela incrível no interior, construída no século XVIII. Em tempos teve imagens da Nossa Senhora da Conceição, Santo António e Santa Margarida, mas as duas primeiras foram roubadas. Já aquela que dá o nome à lapa está agora guardada no Convento da Arrábida.

O altar conta, no entanto, com várias figuras religiosas, velas, flores, fotografias e objetos pessoais levados por visitantes. Alguns itens, como bonecos e pratos, sugerem ainda que o lugar é usado para rituais não católicos.

Diz a lenda que a tripulação de um barco cristão se refugiou nesta gruta ao fugir de piratas que seguiam numa embarcação que encalhou nas rochas e permitiu a sobrevivência do grupo cristão. O altar foi erguido como forma de agradecimento.

A gruta tem cerca de 20 metros e mais duas salas pequenas. De um lado vê-se o mar, do outro há um túnel secreto que, segundo outra lenda, leva ao Convento de Nossa Senhora da Arrábida.

Há uma das praias portuguesas que aparece logo no top três das melhores praias secretas da Europa. Falamos da Praia da Ponta Pequena, em Albufeira, no Algarve — sim, no sul do País ainda há locais que não chegaram aos ouvidos dos turistas. Banhado pelo Oceano Atlântico, possui um areal reduzido que fica imerso quase na sua totalidade, durante a maré alta.

Ao longe, a cerca de 130 metros, avistam-se um penedo e um pequeno rochedo a sobressair do mar. Na arriba existe ainda um arco natural que permite o acesso à praia vizinha.

Já para chegar à da Ponta Pequena, apesar de existir um pequeno trilho que perfaz quase todo o caminho, recomenda-se o acesso via mar. “Esta magnífica praia escondida numa gruta aberta abre-se para o mar com um arco de rochas douradas. Como fica quase totalmente imerso durante a maré alta, é obviamente mais seguro ir na maré baixa”, escreve a “Forbes”.

Outro do pedaço de areia quase secreto que mereceu destaque na lista também fica no Algarve, entre Portimão e Alvor: é a praia de João D’Arens que, por ser de tão difícil acesso, é considerada selvagem. Diz a lenda que o nome deste local deve-se a um pastor que terá vivido nas imediações.

Rodeado por falésias imponentes e pelas águas cristalinas, é um destino que encanta os visitantes com a sua beleza natural e ambiente tranquilo. Uma das características mais impressionantes são as formações rochosas que a rodeiam, que criam uma espécie de moldura.

“É acessível por um caminho ligeiramente íngreme, não adequado para visitantes com mobilidades reduzida ou carrinhos de passeio. Na maré baixa chega-se à segunda parte da praia localizada perto da Ponta João d’Arens”, sublinham. A forma mais fácil de chegar é estacionar no “Caminho da Praia” e caminhar 10 minutos.

Devido ao seu isolamento, a praia é popular entre os naturistas, mas “não é obrigado a despir-se”, aconselha a EBD.

Carregue na galeria para conhecer as nove trilhos para descobrir a Arrábida. 

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA