na cidade

Setúbal recua no desconfinamento e volta ao recolher obrigatório às 23 horas

A medida foi anunciada após o Conselho de Ministros desta quinta-feira e abrange mais de 40 concelhos de maior risco.
Saiba tudo.

Com os casos de Covid-19 a subir, o Conselho de Ministros desta quinta-feira trouxe novidades: a maior é a reintrodução do recolher obrigatório, ou limitação de circulação na via pública, a partir das 23 horas nos concelhos de risco elevado e muito elevado. Sendo que estes são cada vez mais, acima de 40 no total.

Recorde-se que apesar de toda a campanha de vacinação, os contágios por Covid-19 em Portugal continuam a aumentar todos os dias. Lisboa e Vale do Tejo mantém-se como a região com mais casos, mas tem havido uma grande subida na Área Metropolitana do Porto.

Segundo a Ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, a “situação voltou a deteriorar-se na semana passada”, tendo o Rt nacional descido ligeiramente no País mas a incidência estando “significativamente mais elevada”. O País está, frisou a governante, numa situação em que é necessário manter as regras: do uso de máscara, distanciamento, higiene das mãos. “Não temos condições para considerar a pandemia como controlada” disse Mariana Vieira da Silva, apelando novamente ao cumprimento das regras.

Referindo que a incidência está mais alta agora nos grupos mais jovens ou menos vacinados, a ministra lembrou que “as vacinas resultam” e voltou a falar numa corrida contra o tempo, tentando controlar a situação enquanto estas não chegam a todos.

Tendo tudo isto presente, o governo decidiu que nos concelhos de risco elevado ou muito elevado passará a existir uma limitação de circulação na via pública a partir das 23 horas. Mais tarde, a ministra esclareceu que esta medida não tem qualquer exceção ligada a certificados digitais ou comprovativos como testes negativos e que a nova restrição deverá entrar em vigor já esta sexta-feira, após a publicação em Diário da República do diploma. “É uma medida de procura de redução de ajuntamentos”, frisou. 

No que diz respeito à aplicação territorial das medidas, o governo anunciou que os concelhos de risco elevado são esta semana 26, quando na semana passada eram 14: entre eles Alcochete, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Avis, Braga, Castelo de Vide, Faro, Grândola, Lagoa, Lagos, Montijo, Odemira, Palmela, Paredes de Coura, Portimão, Porto, Rio Maior, Santarém, São Brás de Alportel, Sardoal, Setúbal, Silves, Sines, Sousel, Torres Vedras e Vila Franca de Xira. O Porto, confirma-se, retrocede.

Nestes concelhos o teletrabalho permanece obrigatório, os espetáculos culturais têm o mesmo horário da restauração, comércio e retalho funciona até às 21 horas e restaurantes e pastelarias até às 22h30 — no interior com máximo de seis pessoas por grupo e na esplanada com máximo de 10. Inclui-se aqui a restrição de circulação na via pública a partir das 23 horas, até às 5 horas da manhã.

Os concelhos de risco muito elevado há uma semana eram três e são agora 19: Albufeira, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Constância, Lisboa, Loulé, Loures, Mafra, Mira, Moita, Odivelas, Oeiras, Olhão, Seixal, Sesimbra, Sintra e Sobral de Monte Agraço. Nestes, as regras são também do teletrabalho obrigatório sempre que possível, os espetáculos culturais fecham às 22h30, ginásios sem aulas de grupo, casamentos e batizados com 25 por cento da lotação,

Os restaurantes, cafés e similares nestes concelhos voltam a fechar às 15h30 (22h30 nos dias da semana). O comércio a retalho alimentar funciona até às 21 horas durante a semana e até às 19 horas ao fim de semana e feriados; o comércio a retalho não alimentar até às 21 horas durante a semana e até às 15h30 ao fim de semana e feriados.

Há ainda 21 concelhos em alerta, que deverão estar atentos para não retroceder. Finalmente, a ministra adiantou que mantém-se a regra da proibição de saída e entrada na AML ao fim de semana. a não ser com certificado digital. Esta quinta-feira, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, Portugal registou mais cinco mortes e 2.449 novos casos de Covid-19.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA