na cidade

Estudo português revela que anticorpos para a Covid-19 permanecem ativos até 5 meses

São as conclusões de uma investigação do Instituto de Medicina Molecular.
São notícias animadoras.

Os anos já nos têm habituado a que os cientistas portugueses estejam sempre no topo das referências no que diz respeito a investigações relevantes. Isto tem sido cada vez mais evidente desde o início da pandemia, com vários estudos portugueses a destacar-se internacionalmente com dados relevantes sobre o vírus. O mais recente dá conta da capacidade de o nosso corpo resistir à doença.

Segundo adianta a “TSF”, um estudo de investigadores do Instituto de Medicina Molecular (IMM) conseguiu confirmar que os anticorpos contra a Covid-19 permanecem no corpo até cinco meses após a infeção. À “Lusa”, citado pela “TSF” o imunologista Marc Veldhoen, coordenador do trabalho, explica que os resultados foram concluídos a partir de amostras de sangue de 189 pessoas (de um total de 210), que acusaram a presença de anticorpos para o coronavírus passados 40 a 150 dias após um teste positivo de diagnóstico à Covid-19.

“A boa notícia é que, nas pessoas das quais obtivemos amostras de sangue quase cinco meses após um teste para a Covid-19 positivo, pudemos detetar ainda anticorpos e os níveis de IgC [um tipo de anticorpo] permaneceram bons”, afirmou o imunologista do IMM, acrescentando que os anticorpos detetados “são úteis”, pois, ao ligarem-se ao SARS-CoV-2, inibem o coronavírus de atacar as células, tendo por isso um efeito neutralizador.

Marc Veldhoen diz ainda que, apesar de o período de cinco meses ser “relativamente curto” para uma resposta imunitária, estes resultados devem ser encarados com otimismo, uma vez que indicam que os anticorpos para o coronavírus SARS-CoV-2, na origem da doença respiratória Covid-19, “podem circular, e é provável que circulem para a maioria das pessoas, durante esse tempo”.

O estudo será agora submetido para publicação na especialidade “nos próximos dias”, permitindo depois a sua análise e utilização em outros estudos por parte de especialistas e investigadores de todo o mundo.

tags: anticorpos, Covid-19, estudo, Instituto de Medicina Molecular, Portugal

outros artigos de na cidade

mais histórias de Setúbal