na cidade

Do abuso sexual às terapias complementares: a história de superação de Aline Ferreira Alves

A brasileira faz serviços de reiki e terapia floral no espaço Limar Beleza Consciente em Setúbal.
Conheça a jornada de Aline Alves.

Aline Ferreira Alves tem 39 anos, nasceu na cidade brasileira de São Paulo e veio morar para Setúbal em abril do ano passado. Amante da escuta, trabalhou durante 15 anos em Fonoaudiologia com foco em audiologia, mas percebeu que lhe faltava algo. 

Foi nesse momento que descobriu o mundo das terapias complementares e percebeu que o seu propósito era ouvir histórias e procurar maneiras de ajudar mulheres que, tal como ela, têm feridas abertas que pretendem curar. Depois da pandemia, Aline regressou aos atendimentos presenciais ‒ desta vez em Setúbal ‒ no espaço Limar Beleza Consciente.

Aline Ferreira Alves veio para a cidade do Sado diretamente de Inglaterra, onde viveu durante cinco anos. No entanto, foi em São Paulo, na cidade onde nasceu e se formou em Audiologia, que iniciou um processo de autoconhecimento e descobriu este mundo das terapias complementares.

Durante anos tentou fugir da memória da dor de um abuso sexual que sofreu aos quatro anos. Não queria reviver nem lidar com o sofrimento que a perseguiu durante tanto tempo. Foi na Faculdade de Fonologia, onde estudou Psicologia e a parte das emoções que percebeu que, por mais que lhe custasse, tinha de aprender a lidar com esse sofrimento para conseguir entrar numa jornada de cura. 

“A faculdade mostrou-me que a parte emocional afeta o nosso físico e a nossa linguagem. Não falei sobre o abuso que sofri durante anos porque não queria que a minha família sofresse e acabei por guardar para mim, escondi esse sentimento durante anos e tive problemas por causa da minha decisão”, conta à NiS. Foi quando procurou a cura que percebeu que “tinha de sentir de novo” e falar sobre todas essas emoções.

Aos 28 anos fez terapia de regressão e isso trouxe-lhe “um profundo e necessário reencontro com os seus sentimentos”. Esse processo de desenvolvimento e cura abriu-lhe portas para entrar na área das terapias complementares. Começou a estudar e chegou mesmo a tirar o curso de Aromaterapia Clínica em Inglaterra. 

Mudou-se para Manchester quando a filha Bianca tinha dois anos e foi lá que descobriu o primeiro diagnóstico dela: mutismo seletivo e distúrbio de comunicação social com traços autistas. “Tudo o que eu aprendi, além daquilo que eu estudei, foi com a minha filha”, conta.

Nessa altura decidiu seguir a sua intuição e descobriu a sua vocação: ouvir histórias e encontrar formas de ajudar nesta jornada de cura. Começou então a oferecer às mulheres um espaço onde pudessem falar sobre os seus sentimentos, sem qualquer tipo de julgamento e “como uma primeira possibilidade de autoconsciência e transformação”.

O círculo de mulheres é uma jornada de 12 encontros com a duração de uma hora e meia  ‒ agora online devido à pandemia ‒ onde qualquer pessoa que se identifica com o género feminino é bem-vinda. O objetivo é criar um espaço seguro onde as participantes podem falar sobre as emoções. “O círculo de mulheres é feito através da escuta 100 por cento ativa da história de outras mulheres. Em cada encontro há um tópico específico para se falar das experiências individuais”, explica Aline. 

As energias masculinas e femininas e os mistérios do sangue são alguns dos tópicos abordados no círculo. Cada encontro custa 35€ e o limite máximo é de cinco mulheres por sessão, “para facilitar a vinculação e a entrada de mulheres mais introvertidas”. 

Além destes encontros, há ainda o “Círculo Menina ‒ Mulher”, dedicado às jovens que têm entre 15 e 21 anos. O objetivo é que elas se sintam mais à vontade em falar destes temas mais suscetíveis com pessoas da mesma idade. Os encontros também acontecem uma vez por mês, mas decorrem apenas seis meses. 

No espaço Limar Beleza Consciente, na Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, Aline Ferreira Alves oferece os serviços presenciais como a massagem aromática (65€), a massagem reflexo-suíça (55€), a auriculoterapia (35€ até ao fim de janeiro), terapia floral (60€) e reiki (40€/uma hora e 25€/meia hora). 

O reiki, por exemplo, é uma prática que foi criada em 1922 pelo monge budista japonês Mikao Usui e alguns dos benefícios deste tratamento são o bem estar, a reconexão com a capacidade de ativar o nosso poder de cura pessoa, assim como o de receber a ajuda que precisamos para corrigir desequilíbrios internos. O alívio do stress e da ansiedade e uma melhor qualidade de sono são outros dos benefícios. 

Já a terapia floral é reconhecida como terapia complementar desde 1956 e procura tratar a causa e não os sintomas, de forma a restaurar o equilíbrio emocional. Neste serviço, os florais atuam diretamente no estado emocional da pessoa, transformando o negativo em positivo. A ideia é trazer clareza mental, calma e alívio de ressentimentos e mágoas.

Estes serviços são importantes para esta jornada de autoconhecimento, aceitação e amor próprio. Todos os produtos utilizados nas terapias são naturais e de alta qualidade terapêutica e os serviços são reconhecidos pela Organização Mundial de Saúde. Para conhecer mais sobre cada serviço específico e os seus benefícios, basta ir ao site e ver todas as informações.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA