na cidade

Depois das trotinetes, Setúbal vai ter bicicletas elétricas partilhadas da Bolt

A informação foi avançada pelo município. O objetivo do projeto-piloto é reforçar a micromobilidade no concelho.
Vão chegar 50 veículos.

As trotinetes elétricas da Bolt chegaram a Setúbal em junho deste ano. O alargamento da nova plataforma gerou e continuar a motivar alguma polémica nas redes sociais, sobretudo por causa da falta de cumprimento das regras de segurança por parte de alguns utilizadores. Porém, é indiscutível que este meio de transporte é cada vez mais usado pelos setubalenses. 

Depois do sucesso das trotinetes, a Câmara Municipal de Setúbal prepara-se para introduzir um sistema de bicicletas elétricas partilhadas para utilização individual nas deslocações urbanas, através da disponibilização de 50 veículos à população. A medida destinada ao reforço da micromobilidade do concelho está enquadrada nas necessidades detetadas no âmbito do Plano de Mobilidade Sustentável e Transportes de Setúbal, aprovado em 2018.

O município de Setúbal explicou que “a fase experimental do projeto-piloto, operacionalizado no âmbito de uma parceria entre a empresa Bolt e a Câmara Municipal, tem a duração de seis meses para avaliação da pertinência de uma solução mais definitiva, mas também para se dispor de mais uma oferta de mobilidade sustentável para as deslocações diárias municipais”.

Para garantia das condições de funcionamento desta operação, que será formalizada num Memorando de Entendimento a celebrar entre a autarquia e Bolt, a área urbana de circulação das bicicletas elétricas partilhadas é a mesma que já se encontra disponível para as deslocações em trotineta.

O preço inicial para o aluguer dos veículos é de 50 cêntimos por cada minuto de utilização, com uma taxa de desbloqueio gratuita. No decurso da viagem, o preço aumenta, progressivamente, para 20 cêntimos por minuto. Por motivos de segurança, a velocidade máxima permitida das bicicletas elétricas é de 20 quilómetros por hora.

Os parques localizam-se na Avenida Luísa Todi, na zona nascente e poente, no Parque Urbano de Albarquel, na Praça do Brasil e na Avenida 22 de Dezembro na zona do Convento de Jesus. O prolongamento do projeto-piloto do Sistema de Trotinetas Bolt em Setúbal por um período adicional de seis meses foi, igualmente, aprovado na última reunião pública da passada quarta-feira, 17 de novembro. 

A segurança dos utilizadores e não-utilizadores é uma das principais preocupações da Câmara Municipal, pelo que vai ser imposta, no âmbito do novo memorando de entendimento, com entrada em vigor em dezembro, a redução da velocidade de todos os equipamentos de 25 para 20 quilómetros por hora, de forma a minimizar o risco de ocorrência de eventuais acidentes.

Vai ser, igualmente, introduzido o modo “Beginner” (Iniciado), o qual é ativado automaticamente nas primeiras três viagens de cada utilizador. As trotinetas vão também ser equipadas com um conjunto de novas funcionalidades, como sensores com capacidade para detetar acidentes, quedas, travagens bruscas e padrões de condução inseguros, e alertas de voz inteligentes para notificar os utilizadores sobre as áreas pedonais, áreas de baixa velocidade ou restrições de estacionamento.

Segundo a autarquia, as deslocações motorizadas, com menos de 1,5 quilómetros de distância, têm um peso significativo em várias zonas, onde cerca de 80 por cento dos casos são deslocações que ocorrem dentro do próprio concelho e 50 por cento dentro das próprias freguesias. Outro dado relevante aponta para 40 por cento dos residentes em Setúbal a despenderem apenas entre quatro e 30 minutos nas deslocações diárias, conferindo um potencial considerável de transferência de viagens dos modos motorizados para os modos suaves.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA