fit

Caracóis ou tremoços: qual é o petisco mais saudável para o final de tarde?

A NiT pediu ajuda à nutricionista Bárbara de Almeida Araújo para fazer um raio-X nutritivo a estes dois alimentos.
Os caracóis são menos calóricos.

O calor já se anuncia e, com a vacinação a avançar, é bem provável que este verão seja sinónimo de algo que há bem pouco tempo parecia coisa do passado: juntar amigos à mesa numa esplanada ao final do dia.

O álcool, como se sabe, nunca é a opção mais saudável, mas beber uma ou duas cervejas entre amigos é o tipo de coisa que vai fazer bem ao espírito, sem ter de estragar a dieta. Mas não é isso que nos traz aqui. Na verdade, são dois dos grandes clássicos do verão.

A nutricionista Bárbara de Almeida Araújo deu uma ajuda à NiT na radiografia de duas presenças habituais nas esplanadas portuguesas: os tremoços e os caracóis. Afinal de contas, se vamos optar por uma imperial fresquinha, talvez não seja má ideia ter em alguma atenção na escolha do que acompanha. Eis uma notícia importante: ambos têm benefícios do ponto de vista nutritivo. Na verdade, até as podemos considerar opções bem saudáveis. O problema não é tanto o caracol ou o tremoço em si, mas a forma como os temperamos. E aqui o culpado é muitas vezes o mesmo: o sal.

Os caracóis

“Os caracóis fazem parte da nossa tradição gastronómica iniciando a sua época em maio”, explica a nutricionista. “São um petisco muito apreciado e também um alimento interessante do ponto de vista nutricional. Por 100 gramas, o caracol é fonte de proteína (16 gramas), pobre em gorduras (1,4 gramas) e calorias (85kcal) e rico em vitaminas e minerais como vitamina E, magnésio, fósforo e cobre.”

Onde está o problema? “Muitas das receitas tradicionalmente preparadas em Portugal utilizam como ingredientes o sal, caldos para cozinhar e enchidos para apurar o sabor, o que acaba por tornar os caracóis numa refeição excessivamente salgada e calórica”.

Isto inevitavelmente tem consequências. Além do mais, nem sempre é fácil de contrariar. Basta pensar que a mesma esplanada onde se serve o prato de caracóis até pode vender mais bebidas se o prato à mesa for mais salgado. O ideal, e isto é especialmente fácil se tratarmos da receita em casa, é “optar por reduzir o teor de sal, equilibrando os sabores com a adição de ervas aromáticas, como é o caso dos oregãos e/ou um pouco de picante a gosto”. Outra coisa que deve ter em atenção é não abusar do pão. As contas que aqui apresentamos são comparações entre caracóis e tremoços. Se juntar o tal pão no molho, já sabe, a coisa pode mudar de figura.

Os tremoços

Os tremoços têm desafios semelhantes mas os seus próprios benefícios. “À semelhança de outras leguminosas, como o grão, o feijão, a lentilha, apresenta diversas propriedades nutricionais muito interessantes para a saúde”, realça Bárbara de Almeida Araújo.

A nutricionista explica ainda que, por 100 gramas, o tremoço apresenta 124kcal, 16 gramas de proteína, 2,4 gramas de gordura sendo esta, maioritariamente, mono e polinsaturada e é ainda uma excelente fonte de fibra, vitaminas como folatos e minerais (cálcio, potássio, magnésio, ferro e zinco).”

“O inconveniente do tremoço é a elevada quantidade de sal”. Por um lado, quando comparados com a mesma quantidade de caracóis, até pode ser um pouco mais calórico. Mas a forma de controlar o que não faz tão bem (o tal sal), mantendo os benefícios, é bastante simples. “Deve passar os tremoços por água corrente ou demolhá-los antes do seu consumo. Quando os comprar embalados, leia os rótulos e compre os com menores teores de sal”, aconselha.

Comparando os dois petiscos, fica a conclusão: “Ambos são excelentes fontes de proteína, no entanto, o caracol é menos calórico, não tem fibras e tem menos gordura. Já o tremoço, é mais calórico, tem mais gordura, apesar de serem gorduras maioritariamente saudáveis e é fonte de fibras que ajudam na regulação do colesterol e glicemia e ainda na regulação e proteção da flora intestinal, tornando o tremoço uma opção mais saciante”, destaca a nutricionista.

 

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA