fit

GOoutside: os treinos ao ar livre (e em grupo) que vão pôr todos a praticar desporto

Sandra começou o projeto em junho. O que mais gosta é de sentir que faz diferença na vida dos alunos, nas aulas e fora delas.
É uma forma de começar a fazer exercício.

O talento é algo que nasce connosco. Pode afinar a voz, mas dificilmente vai cantar bem se não estiver destinado. Pode aprender a desenhar, mas é complicado tornar-se um Picasso. E nem sempre a nossa vocação é evidente. Algumas paixões surgem mais tarde, como é o caso de Sandra Marques, que, em tempos, não era fã da prática de desporto regular.

“Nem sempre fui a pessoa mais ativa, no entanto, assim que tomei o gosto pelo desporto, nunca mais deixei de praticá-lo e já não passo sem o exercício físico. Decidi direcionar a minha formação para a área do desporto, de forma a tornar este ramo a minha atividade profissional”, explica à NiS. Foi com esta premissa que nasceu o seu novo projeto, em junho, de treinos outdoor, o GOoutside.

Sandra, 38 anos, nasceu em Alcácer do Sal, mas mora atualmente em Palmela. Tirou o curso de Técnica Especialista de Exercício Físico, em 2019. Foi instrutora de sala, deu aulas de Crosstraining e Cycling no ginásio ProAventuras, até 2021. No ano seguinte, esteve a ensinar mobilidade articular e alongamentos na Box de CrossFit “O Covil”. Durante três anos e meio foi instrutora de aulas no “Treino no Park”. Desde 2021 e, até ao momento, dá aulas de pilates no ProAventuras e, agora, tem o novo negócio.

No pós-pandemia e com a reabertura dos ginásios, decidiu dar continuidade aos treinos outdoor e, recentemente, criou o próprio projeto, o GOoutside. São aulas ao ar livre, “em que as pessoas praticam exercício físico em sintonia com a natureza num ambiente de convívio e bem-estar, fomentando o espírito de grupo e entreajuda entre os praticantes”, explica. Os treinos são personalizados.

“Consoante a metodologia e planeamento dos treinos, os alunos exercitam-se através de cargas auxiliares (pesos livres e mecanismos de resistência) e também é “utilizado” o peso do próprio corpo, umas vezes numa vertente mais de exercícios cardiovasculares e outras de força”, diz. São adaptados a limitações e, assim, há uma inclusão de todos os que estejam interessados em praticar exercício físico.

“O que mais gosto no projeto é verificar a evolução das pessoas treino após treino e o espírito divertido das aulas. Sinto uma enorme satisfação em vê-los a praticar exercício físico com agrado, tornando-os mais fortes e felizes”, desabafa. Na verdade, este gosto pelo treino ao ar livre surgiu mesmo com o aparecimento da Covid-19, quando Sandra começou a praticar exercício no jardim de sua casa.

“A prática regular de atividade física transmite-me serenidade. Promove o bem-estar físico e mental, além de muitos outros benefícios para a saúde, razão pela qual, o que mais gosto no desporto é sentir-me saudável física e mentalmente e, consequentemente, mais feliz e produtiva”, diz. Gosta de praticar e de ensinar todos os tipos de exercício mas, acima de tudo, é bom saber que “a maioria dos exercícios que fazem em aula, é refletido nos movimentos do quotidiano”.

Nem tudo é fácil e é preciso trabalhar a mentalidade. “Muitas vezes, os maiores desafios são mostrar às pessoas que o exercício físico está ao alcance de todos e que as limitações de cada um são, por vezes, criadas pelos próprios. Felizmente, tenho conseguido motivar as pessoas e mostrar-lhes que, com metodologia consciente e dedicação, conseguem alcançar o que julgavam inalcançável”, reforça.

Além dos treinos em contexto de aulas em grupo, há a possibilidade de fazer treinos personalizados, onde há um trabalho “mais individualizado, atendendo às necessidades e objetivos de cada pessoa”. Apesar de haver sempre adaptação consoante os atletas, o projeto destina-se a maiores de 16 anos. Relativamente aos valores, existem dois tarifários disponíveis: um pack de dez aulas, válido por três meses, de 33€ e outro, mensalidade de livre-trânsito, de 35€.

Os treinos realizam-se de segunda a quinta-feira, às 18h30, no Jardim da Música, perto da zona de Vanicelos, e sábados às 9h30, no Parque do Bonfim. Não existe um número mínimo de pessoas. Quanto ao número máximo, para proporcionar melhor qualidade de aula e atenção aos alunos, foi estabelecido um limite de 15 pessoas. Siga o Instagram do projeto e fique a par das novidades.

Já que estamos a falar de bem-estar, carregue na galeria para conhecer algumas receitas saudáveis que pode fazer em casa. 

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA