fit

Esta jovem vegan criou uma marca que apela ao consumo consciente

Inês Mateus começou a rejeitar tudo o que comia. Decidiu mudar para uma alimentação vegan e criar a ConscienteMente.
A golden quiche.

Inês Mateus não comia nenhum tipo de frutas e legumes e costumava cometer alguns excessos na alimentação. Porém, há cerca de seis anos, o seu organismo começou a rejeitar tudo aquilo que comia até àquela altura, o que deixou a saúde da jovem de 24 anos muito frágil.

“Deixei de comer praticamente tudo sobretudo alimentos com açúcar e glúten. Naquele momento fiquei um bocado perdida e sem saber o que fazer. Mas percebi que isto era um alerta do meu corpo para mudar os meus hábitos alimentares e desintoxicar-me de tudo que me estava a fazer mal”, conta à New in Setúbal, Inês Mateus.

A partir daí, Inês decidiu optar por uma alimentação vegana e o mais natural possível. “Por exemplo, deixei de beber café e álcool e reaprendi a aceitar novos sabores”, explica. Apesar de considerar que foi a decisão certa para melhorar a sua condição de saúde, o processo de transição não foi fácil.   

Para começar, a família da jovem não aceitou a sua opção e, segundo Inês, a sociedade ainda estava muito centrada na ideia de que “as pessoas que têm uma alimentação vegana têm sempre carências de proteínas”.

No entanto, Inês não desistiu de mudar de regime alimentar, ainda que tivesse muitas dificuldades em encontrar alternativas veganas à venda nos supermercados. Foi aí que pensou fazer algumas opções saudáveis e caseiras.

Começou por vender os produtos no Mercado de Aldeia na Quinta do Anjo, em agosto do ano passado, no último sábado de cada mês. Aos poucos, a procura foi aumentando e, em dezembro de 2020, lançou a marca ConscienteMente.

“Já tinha pensado criar um projeto que promovesse um estilo de vida saudável e o poder de realizarmos escolhas conscientes. No fundo, pretendo partilhar com as pessoas que devemos fazer escolhas conscientes para melhorar a nossa saúde e alimentação, de forma a desconstruir a ideia de que a alimentação vegan não tem sabor”, reforça a jovem estudante de Medicina Chinesa.

Apesar de ter começado pela alimentação, o objetivo da responsável pela marca é alargar a página para outras vertentes, como por exemplo, a promoção de pessoas e projetos ligados às escolhas conscientes, o desenvolvimento de formações e workshops, entre outras atividades.

Para já, a ConscienteMente está focada na venda de produtos caseiros vegan sem açúcar e glúten, no Mercado da Aldeia da Quinta do Anjo, vila onde nasceu Inês Mateus, e também online através das páginas de Facebook e Instagram da marca.

Há, por exemplo, a golden quiche confecionada com legumes da época (2€/fatia), a chocolate mood (1,50€/fatia), um salame de avelã e manteiga de amendoim e o healthy cake de chocolate, maçã ou ananás (2€). Estes produtos também podem ser vendidos à unidade.

Ainda pode provar as big cookies (desde 1€), queijadas e muffins (a partir de 1€), as energy balls (1€/unidade) com recheio de chocolate, cobertura de coco e amendoim e os famosos hot chocolate-sticks (1,50€) com aroma de baunilha e topping de amêndoa picada e ainda compotas naturais e azeites aromáticos.

Se preferir, também pode escolher a veggie bag, que inclui granola, compota, seis cookies, dois chocolate-sticks, azeite aromático e piri-piri de moscatel. Custa 20€. Já o coffee-break basket (10€), perfeito para partilhar por duas pessoas, traz duas chávenas, dois chocolate sticks, quatro cookies e uma mini-compota.

O serviço de entregas está disponível em Setúbal, Palmela, Azeitão, Quinta do Conde e Pinhal Novo. Ao longo do ano, a marca também vai lançar alguns packs temáticos. A marca é plastic free e todas as embalagens são de cartão.

Os hot chocolate-sticks.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA