cultura

Tudo o que há para saber sobre “House of the Dragon”, o spinoff de “A Guerra dos Tronos”

As gravações arrancaram terça-feira, 27 de abril, nas praias e castelos do sudoeste britânico.
Saiba tudo.

Matt Smith e Emma D’Arcy de longos cabelos brancos, à boa moda dos Targaryen. Foi desta forma que arrancaram as gravações de uma das mais esperadas séries dos próximos anos: “House of the Dragon”, o promissor spinoff de “A Guerra dos Tronos”.

No centro de todas as atenções estiveram os dois atores já com as vestes da família que estará no centro da história da nova milionária produção da “HBO”. As imagens, captadas à distância, quebraram a muralha de secretismo e revelaram, pelo menos, um dos locais de filmagens, na costa sudoeste do Reino Unido, na Cornualha.

Ambos de cabelo platinado — o traço genético que habitualmente distingue os Targaryen dos outros mortais —, parecem conversar numa praia ventosa, embora não se saiba para onde partiram depois da gravação.

Suspeita-se que grande parte das filmagens terá lugar na região, já que, revela o “The Daily Mail”, equipas de produção foram vistas um pouco por toda a área, incluindo o castelo de St. Michael Mount.

Não foram as únicas pistas. No castelo também foi avistado o símbolo de um cavalo marinho, símbolo de uma das antigas casas do mundo fantástico de George R.R. Martin, a Casa Velaryon.

As gravações já começaram.

Mesmo antes dos atores se aventurarem no ríspido tempo britânico, arrancaram a produção com uma leitura conjunta nesta segunda-feira, 26 de abril, onde se juntou grande parte do elenco que irá contar a história passada 300 anos antes dos eventos de “A Guerra dos Tronos”.

Com as gravações a arrancarem em abril, conforme anteriormente previsto, resta esperar que a previsão da estreia em 2022 também seja cumprida. Até lá, contamos-lhe tudo o que se sabe e o que se pode esperar do grande regresso das histórias de George R. R. Martin à televisão.

Quem é quem

O elenco está praticamente fechado, com um dos papéis principais a cair nos braços de Emma D’Arcy, atriz britânica de 28 anos com uma curta carreira na televisão. Irá interpretar a princesa Rhaenyra Targaryen, filha do rei Viserys e herdeira legítima ao Trono de Ferro. Adorada pelo povo e pelos lordes de Westeros, é também uma Targaryen com jeito para conduzir os temidos dragões.

Ao seu lado nas primeiras imagens das gravações estava Matt Smith, mais conhecido como o primeiro príncipe Filipe das duas primeiras temporadas de “The Crown”. Ao ator caberá o papel de Daemon Targaryen, irmão mais novo do rei, tio de Rhaenyra, guerreiro e antigo capitão da guarda de King’s Landing.

Paddy Considine (“Peaky Blinders”) ficará com a coroa de Viserys I, descrito como um homem decente e afetuoso. Ao seu lado estará Olivia Cooke (“Sound of Metal”) no papel de Alicent Hightower, a rainha e madrasta de Rhaenyra que, sem surpresas, prefere ver como herdeiros do trono os seus filhos de outro casamento.

O elenco compõe-se com Rhys Ifans (“Notting Hill”) no papel da Mão do Rei, Otto Hightower, pai de Alicent; Sonoya Mizuno (“La La Land” e “Ex Machina”) no papel de Mysaria, amiga próxima de Daemon Targaryen; Steve Toussaint será Lord Corlys Velaryon, casado com a rainha Targaryen que nunca o foi, Rhaenys Velaryon, que ficará a cargo de Eve Best (“O Discurso do Rei”). Por fim, Fabien Frankel (“A Serpente”), que fará de Criston Cole, membro da Guarda do Rei que deixou os serviços de Rhaenyra por causa de um romance misterioso.

A vida louca dos Targaryen

300 anos antes dos eventos de “A Guerra dos Tronos”, as personagens eram outras mas a sede de poder mantinha-se intacta. No centro da história está, mais uma vez, a sucessão e o direito tomar o controlo do reino no Trono de Ferro.
A narrativa inspira-se em “Fire & Blood”, o livro de George R.R. Martin publicado em 2018 e que aprofunda o passado da Casa Targaryen, desde a chegada de Aegon o Conquistador aos eventos que serão abordados em “House of the Dragon”.

Sob o comando dos Targaryen, numa época em que os dragões dominavam tudo e todos, habilmente comandados pelos seus mestres de cabelos platinados, Westeros prepara-se para uma nova batalha. A guerra civil que se seguiu recebeu o nome de “Dance of the Dragons”, a Dança dos Dragões.

A batalha opôs dois herdeiros ao trono, Rhaenyra e o seu meio-irmão Aegon II, num confronto que definiu muito do que seria o futuro da então mais temida e poderosa casa de Westeros.

No comando da série

Com David Benioff e D.B. Weiss fora dos planos, um velho conhecido de “A Guerra dos Tronos” foi chamado para liderar a produção. Miguel Sapochnik, realizador de alguns dos mais famosos episódios da série, é agora um dos showrunners, ao lado de Ryan Condal — este último um dos argumentistas que trabalhou lado a lado com George R.R. Martin.

Outra fantástica notícia é o regresso do compositor Ramin Djawadi, o autor dos temas originais que sobressaíram durante as oito temporadas de “A Guerra dos Tronos” e tornaram momentos fantásticos em cenas inesquecíveis.

E agora, quanto teremos que esperar?

Tudo indica que a série nunca chegará à televisão antes de 2022, sempre no formato já anunciado de 10 episódios.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA