cultura

“Pieces of a Woman”: a tragédia que abre caminho à nova aposta da Netflix nos Óscares

Vanessa Kirby, atriz de "The Crown", protagoniza um drama que promete ser um dos destaques da Netflix.
Drama com ambições aos Óscares.

Estreou em alguns cinemas nos EUA, mesmo a tempo de cumprir os requisitos para figurar entre os potenciais candidatos às estatuetas da Academia. Mas a estreia mundial na plataforma de streaming deu-se esta quinta-feira, 7 de janeiro.

É no Teatro Dolby, em Los Angeles, a 25 de abril, que a cerimónia dos Óscares terá lugar. Em tempos de pandemia, é ainda uma incerteza como tudo se irá desenrolar, mas uma tendência dos últimos anos parece confirmar-se: a Netflix quer marcar presença. “Pieces of a Woman” é uma das suas apostas mais fortes.

O filme conta com Shia LaBeouf no papel de Sean, que trabalha na construção de pontes, uma potencial metáfora para as pontes que se vão destruir nas relações familiares. Conhecemos a mulher, Martha (Vanessa Kirby), já no final da gravidez.

As contrações começam, cada vez mais próximas, as águas rebentam. O parto aproxima-se. Sean lembra a mulher de quando falaram, na preparação para o parto, de imprevistos que podem sempre surgir no grande dia. É um alerta que não nos prepara para o que aí vem. Com a parteira escolhida envolvida noutro parto, chega uma substituta. E o que era para ser um dia feliz dá lugar à tragédia.

O filme tem valido elogios a LaBeouf, que de menino bonito de “Transformers” se tornou uma das figuras mais imprevisíveis de Hollywood. A estreia do filme aconteceu poucas semanas após a cantora FKA Twigs acusar o ator de abusos físicos e psicológicos. Esta seria a sua oportunidade de redenção mas chega assombrada pelas mais recentes acusações. Ainda assim, o destaque é para Vanessa Kirby, a princesa Margarida de “The Crown”.

Vanessa Kirby em destaque.

É ela a mulher que, prestes a ser mãe, vê todas as expectativas destruídas pela tragédia de perder o filho no parto. A cena é longa e exigente, física e emocionalmente. Passa quase meia hora de filme até o título, “Pieces of a Woman”, nos surgir no ecrã. É um daqueles casos em que o filme ainda está a avançar e já nos deu mais de 20 minutos de uma poderosa cena, filmada num aparente plano contínuo.

O que se segue depois daquele fundo preto com o título do filme a branco, é o longo luto e o desmoronar de tudo. A tragédia abre caminho a um processo em tribunal por negligência mas acima de tudo a uma densa viagem emocional. Como se recupera depois de algo assim? Como se retoma o que havia antes? Que sentido se dá a uma violência destas? Como se segue em frente?

São estas perguntas de resposta aberta que encontramos nesta tragédia tão pessoal. Realizado por Kornél Mundruczó, realizador húngaro vencedor do prémio Un Certain Regard, em 2014, em Cannes, por “Deus Branco”, a Netflix tem o cuidado elogiado de “Marriage Story”, nomeado a seis Óscares, mas num drama com menos oscilações e com pouca margem para nos deixar escapar do ambiente que a tragédia deixou.

Vanessa Kirby é um dos nomes prováveis a figurar na lista de atrizes nomeadas pela Academia e desempenha um papel que será um provável marco na sua carreira e que até já foi premiado no Festival de Veneza.

Com cerca de duas horas de duração, “Pieces of a Woman” é a prova de que a Netflix continua a apostar em diferentes tabuleiros, mostrando que, para lá da aposta comercial, quer continuar a marcar presença entre o que de melhor Hollywood nos tem para dar em termos de cinema. Vanessa Kirby segue a sua viagem com a Netflix. Shia LaBeouf, que podia muito bem ter feito aqui o seu regresso, acaba por ver o seu nome e rosto serem retirados de algumas das ações promocionais do filme.

O ator regressa ao estatuto, agora reforçado, de persona non grata em Hollywood. É a sua desgraça que, fora do ecrã, o vem eclipsar. 

O filme já está disponível na plataforma em Portugal. Pode espreitar o trailer em baixo.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA