cultura

Orquestra Metropolitana de Lisboa vai atuar no Fórum Luísa Todi

O evento marcado para 1 de outubro, sábado, celebra o Dia Mundial da Música.
Orquestra Metropolitana de Lisboa.

A 1 de outubro, sábado, assinala-se o Dia Mundial da Música. A data foi instituída em 1975 pelo International Music Council, uma instituição fundada em 1949 pela UNESCO, que agrega vários organismos e individualidades do mundo da música. Para tal, nada melhor do que a Orquestra Metropolitana de Lisboa (OML) vir ao Fórum Municipal Luísa Todi apresentar “Danças Concertantes”, de 1942, de Igor Stravinsky, Richard Wagner e Robert Schumann.

As “Danças Concertantes” foram escritas no início dos anos 40, em Hollywood. São distantes, portanto, da música que Igor Stravinsky compôs em início de carreira para os Ballets Russes. Reunidas no formato de uma suite instrumental barroca, não terão sido escritas com o intuito específico de serem dançadas. Ainda assim, o coreógrafo George Balanchine levou-as a cena no período da Segunda Grande Guerra, em Nova Iorque, com antigos elementos da companhia de Diaghilev.

O solista da exibição é João Pedro Gonçalves, no violoncelo e o maestro é o vencedor do Prémio Jovens Músicos 2022. Márcio Silva, natural da freguesia de Sendim no concelho de Felgueiras, integrou o duo vencedor do concurso na categoria Música de Câmara nível superior.

Para o guitarrista, a escolha da guitarra como instrumento foi natural, tendo despertado para a música “pelo ambiente familiar que lhe proporcionou o interesse e as condições”. O músico iniciou a sua formação musical no Conservatório de Música de Felgueiras.

O Prémio Jovens Músicos é organizado pela RTP/Antena 2, e a final da edição 2022, a 35.ª, decorreu no Centro Cultural Gil Vicente, no Sardoal. Durante este concurso, o Duo Sirius composto por Diogo João e Márcio Silva, passou por duas etapas de apuramento para a final. A primeira fase de seleção foi anónima através de gravação, seguida por uma eliminatória que decorreu na Casa da Música no Porto.

A OML é pedra angular de um projeto que se estende além do formato habitual de uma orquestra clássica. Foi apresentada pela primeira vez em público, no Mosteiro dos Jerónimos, a 10 de junho de 1992. O propósito é canalizar as missões artística, pedagógica e cívica por intermédio de uma gestão otimizada de recursos e uma visão ampla e integrada de todas as vertentes do fenómeno musical.

O espetáculo da noite de 1 de outubro, sábado, está agendado para as 21 horas. O bilhete custa 14€ e pode ser comprado online.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA