cultura

O espetáculo de ópera sobre a história da primeira mulher portuguesa a votar

A Implantação da República, a luta pelo voto feminino e o surgimento da Constituição de 1911 são mote da apresentação.
DR

Decorreu, a 5 de outubro de 1910, um dos acontecimentos mais importantes da história de Portugal — a Implantação da República. Em 1911, surgiu a nova Constituição Portuguesa, aprovada a 21 de agosto, pela Assembleia Nacional Constituinte. Entre alterações de governação, de leis e estatutos, há um papel que ganhou relevância ao longo dos tempos: o direito de voto da mulher, uma história que se recorda num espetáculo de ópera da Associação Setúbal Voz.

É já no dia 1 de dezembro que estreia, no Fórum Municipal Luísa Todi, às 21 horas, “1911, A Conspiração da Igualdade”, a segunda de uma tetralogia dedicada às constituições portuguesas, que “recorda a luta pelo voto feminino no contexto da Implantação da República e do surgimento da Constituição de 1911, através de uma versão alternativa da história de Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher portuguesa a votar”, explica o município de Setúbal.

“Tentei fazer música que, parece-me, se coaduna com o espírito e a estética pretendidos”, revelou durante um dos ensaios da peça o maestro, pianista e compositor António Victorino d’Almeida. O projeto envolveu cerca de sete dezenas de cantores, profissionais e amadores das diversas formações da Associação Setúbal Voz. Esta obra foca-se na “conspiração e romance” entre Carolina Beatriz Ângelo e Luz de Almeida, republicano e fundador da Carbonária, organização secreta e armada ligada à Implantação da República.

Segundo o autor do libreto — letra da ópera —, Francisco Teixeira, “esta história é romanesca, uma vez que não houve romance entre Carolina Beatriz Ângelo e Luz de Almeida”, que pertenciam à Maçonaria. “Não houve conspiração da loja Humanidade [de Carolina Beatriz Ângelo] contra a loja Montanha [de Luz de Almeida], mas eles historicamente fizeram parte dessas lojas”, explica, e, por isso, este é um espetáculo “contra factual”.

O espetáculo, com direção artística de Jorge Salgueiro, tem apresentações nos dias 2 de dezembro, às 21 horas, e no dia 3, às 17 horas. A entrada para o espetáculo custa 10€, estando os bilhetes disponíveis no Fórum Municipal Luísa Todi e online. Além de “1911, A Conspiração da Igualdade”, a tetralogia operática engloba “1822 – Mautempo em Portugal”, já estreada em julho, e “1976 – A Evolução dos Cravos” e “2030 – A Nova Ordem”, ambas a apresentar em 2024.

A seguir, carregue na galeria e conheça novas séries e temporadas que estrearam (ou ainda vão estrear) em novembro.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA