cultura

Motel Albarquel: “O nosso novo álbum é o culminar de 12 anos de trabalho”

A NiS falou com a banda de rock setubalense sobre o concerto de lançamento de "U Álbum", marcado para este sábado.
A banda nasceu em 2008. Foto: João Moura.

A banda setubalense Motel Albarquel nasceu no verão de 2008 e é o exemplo de um projeto de puro rock em português. É formada por Nuno Jacinto (vocalista e guitarrista), Paulo António (guitarrista), Nelson Alves (baterista) e João Pardal (baixista). 12 anos depois, os Motel Albarquel estão de regresso aos palcos para o concerto de lançamento do novo trabalho, “U Álbum”. 

O espetáculo, totalmente esgotado, está marcado para este sábado, 10 de julho, e vai decorrer no Auditório Bocage em Setúbal. A poucas horas do espetáculo, a New in Setúbal falou com o vocalista Nuno Jacinto e o manager da banda, Rafael Reis, sobre o surgimento dos Motel Albarquel, o novo álbum e a parceria inesperada com o Charroque da Prrofundurra, que será apresentador e convidado especial do concerto.

Quando é que surgiu a banda Motel Albarquel?
O projeto dos Motel Albarquel nasceu em agosto de 2008. Eu (Nuno Jacinto) e o Paulo António (guitarrista) já tínhamos uma banda que depois se diluiu e fomos os membros fundadores dos Motel. Enquanto banda já passámos por várias fases, hoje em dia, temos um som que é acessível dos oito aos 80 anos. Mas antigamente primávamos mais pelo punk e underground.

O que representa este novo álbum para os Motel Albarquel?
Este álbum é o culminar de 12 anos de trabalho daí termos-lhe chamado “U Álbum” [risos]. Dos vários originais que temos, escolhemos dez músicas, que representam as várias fases dos Motel Albarquel. As nossas letras são inspiradas em experiências pessoais do quotidiano e falam de temas com os quais as pessoas se identificam. Os problemas delas são também os nossos, daí considerarmo-nos uma banda acessível a todo o tipo de público.

“U Álbum” tem o formato de uma pen. Porque escolheram esta opção alternativa?
Quando pensámos lançar o álbum, chegámos à conclusão de que o tradicional vinil ou até mesmo o CD, já não se ajustam à realidade atual. A maioria dos carros não têm leitores de CD, tal como alguns portáteis. Aqui, a pen surge como um formato mais inovador, que todos podem usar como objeto pessoal, guardar lá documentos e, ao mesmo tempo, permite que o público leve sempre os Motel Albarquel consigo. No dia do concerto vai estar à venda uma edição do álbum limitada a 50 exemplares. Depois disso, o álbum também ficará disponível no site do Charroque da Prrofundurra.

O álbum é em formato de pen.

Os bilhetes para o concerto esgotaram em 48 horas. Como é que reagiram a esta adesão do público?
Nós divulgamos o cartaz há dois meses e, para nós, foi uma surpresa enorme ter esgotado tão rápido e também uma grande alegria. De facto, as pessoas estão com muitas saudades de assistir a concertos ao vivo, ouvir boa música e estamos muito gratos por conseguirmos proporcionar isso ao nosso público.

Que expetativas têm para o concerto deste sábado?
Sem dúvida que vai ser uma noite de grandes emoções e surpresas não só por ser o culminar de 12 anos de trabalho, mas também porque marca o nosso regresso a um palco maior em tempo de pandemia. Podermos cantar na nossa cidade para quem gosta de nos ouvir é um privilégio incrível.

E como é que surgiu esta parceria inesperada com o Charroque da Profundurra?
Nós já conhecíamos o Rui Garcia, mas só começámos a ter contacto com a personagem do Charroque da Prrofundurra no tempo do confinamento. Em 2020, na altura do concurso da EDP Live Bands onde participámos, ligámos ao Rui para ele fazer um vídeo que pudesse chamar a atenção das pessoas para votarem em nós. Com esse vídeo, os Motel e o Charroque aumentaram imenso o número de seguidores nas redes sociais. A seguir veio a parceria da coleção das T-shirts do Charroque com mensagens escritas por nós. A música, “Riu du Sado”, que criámos para o Charroque veio mais tarde. A ideia inicial até seria sermos nós a cantá-la mas achámos que fazia todo o sentido ser ele, pela personagem que representa para a cidade.

 

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA