cultura

Lembra-se do antigo Bairro Salgado? Estas pinturas em aguarela mostram-lhe tudo

A exposição representa muitos locais icónicos deste antigo bairro setubalense. Pode ser visitada até 24 de fevereiro.
Uma mostra com história.

Além das belas paisagens e das águas cristalinas, Setúbal é conhecida pela tradição e cultura bairrista dos pescadores e das várias famílias que viviam com poucos recursos. O Bairro Salgado era um dos locais mais emblemáticos da cidade e agora está representado em aguarelas, no Museu do Trabalho Michel Giacometti.

A exposição “Bairro Salgado — Do Bairro ao Museu” já foi inaugurada no dia 16 de dezembro e estará patente até 24 de fevereiro, com entrada gratuita. O trabalho é de António Madureira Pais e reúne cerca de “30 aguarelas sobre os edifícios, as ruas e as particularidades do Bairro Salgado, um dos mais característicos núcleos habitacionais de Setúbal. No conjunto das três dezenas de obras em aguarela estão representados o portal da Gafaria de Nossa Senhora da Saúde, a antiga Garagem Bocage, o Infantário Popular do Bonfim e as antigas instalações da delegação de Setúbal da PIDE”, explica a autarquia.

O presidente da Câmara Municipal de Setúbal, André Martins, esteve presente na inauguração e relembrou a importância do local. “Muitas vezes passamos no bairro e não reparamos naquilo que ali está, em todo o peso histórico-cultural que têm estas paredes, estes arruamentos, esta forma de construção, que também aqui é apresentada de uma forma muito própria em termos artísticos”, frisou.

A mostra “alia um conjunto de pinturas ao testemunho oral, celebra a memória e a identidade cultural setubalense, sendo cada aguarela uma janela que leva o público numa viagem para locais e cenários que definem o quotidiano no típico bairro sadino”, além das igrejas, uma antiga padaria, conjuntos residenciais e os portões de acesso aos quintais, que eram frequentes nas melhores moradias do bairro, como espaço de lazer e de convívio dos moradores e das visitas.

André Martins sublinhou que a exposição de Madureira Pais “representa também uma parte da história, da cultura e das atividades económicas que neste tempo marcaram Setúbal”. Este é um “conjunto habitacional, comercial e de serviços”, delimitado pela Avenida 5 de Outubro, Rua Almeida Garrett e avenidas Manuel Maria Portela e Alexandre Herculano.

Nascido em Valpaços, Trás-os-Montes, em 1961, Madureira Pais, apelidado de pintor urbano, pretende perpetuar sítios e lugares que, muitas vezes, passam despercebidos. Nos últimos anos, os seus trabalhos centraram-se no tema “Setúbal”. Desde muito novo que desenha e pinta, mas foi já perto dos 40 anos que encarou os pincéis, os lápis e as tintas com mais seriedade e passou a mostrar trabalhos em exposições individuais e coletivas. Integrou a associação Pró-Arte e atualmente é membro da ARTISET — Associação dos Artistas Plásticos de Setúbal.

Já que estamos a falar de arte, recorde este negócio setubalense com peças em barro. Percorra a galeria e conheça os artigos.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA