cultura

Fomos conhecer o Museu do Trabalho Michel Giacometti (e contamos-lhe tudo)

O espaço, no Bairro de São Domingos tem três exposições de longa duração. Uma delas de uma mercearia lisboeta antiga.
Vai embarcar nesta viagem?

O Bairro de São Domingos é um dos mais típicos de Setúbal. A cada esquina sentem-se as tradições da cidade, que é terra de mar, de pescadores e da antiga indústria conserveira. E é em pleno coração do bairro, no Largo Defensores da República, junto ao Miradouro de São Sebastião que encontramos o Museu do Trabalho Michel Giacometti, um verdadeiro hino à indústria conserveira e ao mundo do trabalho.  

A antiga fábrica Perienes como espaço industrial conserveiro iniciou a sua atividade entre 1908 e 1919 pela sociedade Benzinhos & Ribeiro. Só em 1919 é que passou para as mãos de Mathias Perienes juntamente com um escritório na Avenida Luísa Todi e um armazém na Ladeira de São Sebastião.

A fábrica funcionou até setembro de 1971. No ano de 1991 é comprada pela Câmara Municipal de Setúbal, com o objetivo de ali se instalar definitivamente o Museu do Trabalho com instalações, inaugurado a 18 de maio de 1995, Dia Internacional dos Museus.

As salas guardam um espólio de vários instrumentos ligados ao mundo do trabalho.

Apesar de ter aberto ao público apenas em 1995, o museu nasceu a 25 de abril de 1987 quando recebeu a exposição fundadora, “O Trabalho Faz o Homem”, com uma coleção inicial recolhida pelos estudantes do Serviço Cívico Estudantil, em 1975 sob a orientação do etnomusicólogo Michel Giacometti, que tinha chegado a Portugal em 1959. Reúne um espólio de vários instrumentos ligados ao mundo de trabalho.

Atualmente, o museu inclui três exposições de longa duração. A exposição, “A Indústria Conserveira (Da lota à lata)” contém objetos de várias fábricas doados por diversas entidades e particulares. A cadeira operatória permite-nos perceber o processo desde a chegada do peixe até ao final da sua produção. Nesta área, pode encontrar a referência à litografia e às vivências dos operários. Depois o “Mundo Rural — Coleção Etnográfica Michel Giacometti e a Génese do Museu” apresenta vários instrumentos ligados ao mundo do trabalho rural, mas também ao trabalho doméstico.

Uma das zonas mais icónicas do museu é a exposição “Mercearia Liberdade — Um património a salvaguardar”, que resultou de uma doação feita à autarquia setubalense, em janeiro de 2002. Este espaço comercial estava sediado originalmente na Avenida da Liberdade (a seguir à Farmácia Liberal), atualmente instalada no Museu da Farmácia, em Lisboa. Tratou-se da “desmontagem integral do miolo da mercearia”, além das montras bem como de alguns aspetos do próprio armazém e escritório, que nos transportam para o ambiente comercial dos finais do século XIX, início do século XX.

A “Mercearia Liberdade — Um património a salvaguardar” é uma das exposições de longa duração.

À New in Setúbal, José Luís Catalão, chefe da divisão de museus da Câmara Municipal de Setúbal explicou que a perspetiva de gestão do espaço, património da cidade, é a “de museu na comunidade”. “Não nos refugiamos em quatro paredes, também fazemos visitas à lota, centro histórico de Setúbal e temos um centro de memórias, responsável pela recolha de diversos testemunhos de trabalhadores da indústria conserveira, pescadores, latoeiros, entre outros”.

O museu sofreu obras de ampliação, em 2017. Além das exposições de longa duração, atualmente o espaço recebe vários eventos temáticos. Neste momento integrada na Festa da Ilustração 2019, pode visitar a exposição “Ilustrar a Liberdade”, com uma seleção de trabalhos do cartoonista francês conhecido por Tignous, assassinado no ataque ao jornal satírico Charlie Hebdo, em janeiro de 2015. Está patente até 29 de junho.

A entrada no museu é de 1,50€ para visitantes individuais, entre os 15 e os 64 anos, sendo gratuita para os restantes. Organiza ainda visitas guiadas para todos os públicos mediante marcação prévia. Os grupos escolares e séniores não pagam.

tags: exposições, Festa da Ilustração, história, indústria conserveira, Mercearia Liberdade, Museu do Trabalho Michel Giacometti

localização, contactos e horários

morada
  • Museu do Trabalho Michel Giacometti [ver mapa]
    Largo Defensores da República, 3
    2910-470 Setúbal
horários
  • Terça a sexta (verão)
  • Das: 09:30
  • Às: 18:00
  • Sábado
  • Das: 15:00
  • Às: 19:00
  • Encerra domingos, segundas e feriados
  • Terça a sexta (inverno)
  • Das: 09:30
  • Às: 18:00
  • Sábado e domingo
  • Das: 14:00
  • Às: 18:00