cultura

“Extremos”: a nova exposição de escultura para ver na Casa Bocage

A mostra coletiva inclui obras de Samuel Silva, Calisto Pires e Sérgio Matos. A entrada é livre.
Está patente até 8 de janeiro.

Quando chega esta altura do ano, com os dias mais frios, os programas das famílias têm de mudar. As idas à praia são substituídas pelo cinema, por exemplo, mas também por peças de teatro, concertos e galerias. 

Em Setúbal há várias exposições para ver nos equipamentos da cidade. O melhor de tudo é que são quase todas de entrada livre. A mais recente mostra coletiva chama-se “Extremos” e está patente na Casa Bocage desde o dia 11 de novembro.

A exposição conta com várias obras, sobretudo esculturas, de Samuel Silva, Calisto Pires e Sérgio Matos. Segundo a sinopse da iniciativa, “a mostra aborda a compreensão humana no entendimento da expressão estética, focando-se no diálogo entre a representação da figura humana, a sua idealização e o pensamento onírico”.

A exposição coletiva reúne duas esculturas de argila de papel, da autoria de Samuel Silva, três esculturas de alumínio e ferro fundido, de Sérgio Matos, e quatro painéis de azulejos de grandes dimensões, da autoria de Pedro Calisto.

“Extremos” pode ser visitada até ao dia 8 de janeiro, sábado, na galeria da Casa Bocage, de terça a sexta-feira, das 9 horas às 12h30 e das 14 horas às 17h30; e aos sábados, das 14 às 18 horas. A entrada é gratuita.

A Casa Bocage é uma casa-museu dedicada a Manuel Maria Barbosa du Bocage e também onde nasceu o poeta setubalense, em 1765. Em 1888, foi comprada pelo Visconde Edmond Bartissol, daí o nome da rua, que posteriormente ofereceu o imóvel à Câmara Municipal de Setúbal.

Atualmente conta uma biblioteca especializada relacionada com a vida e obra do poeta. O seu espaço é utilizado como galeria para exposições temporárias e alberga o Arquivo Municipal de Fotografia Américo Ribeiro.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA