cultura

Equipa de Amber Heard pede anulação do veredito — graças à identidade de um jurado

Os advogados da atriz defendem que um dos jurados pode não ser quem disse que era e pedem ao tribunal para investigar.
Amber Heard perdeu o julgamento.

Amber Heard está a procurar anular o veredito do julgamento mediático em que foi condenada por difamação contra o ex-marido Johnny Depp. Na moção que a sua equipa jurídica apresentou na sexta-feira, 1 de julho, um dos argumentos principais tem a ver com a identidade do jurado número 15.

Este jurado, que é anónimo pois está legalmente protegido, indicou que nasceu em 1945. Mas, segundo a defesa de Amber Heard, o homem tem visivelmente uma idade inferior — a previsão dos advogados é que tenha nascido nos anos 70. Assim, dizem que o jurado pode não ser quem diz que é, e que isso poderá ter “comprometido” o processo.

“O tribunal deve investigar se o jurado 15 procedeu corretamente no júri. Na lista de jurados, o indivíduo tinha o ano de nascimento de 1945. Mas o jurado 15 claramente nasceu após 1945. A informação disponível publicamente demonstra que ele parece ter nascido em 1970. Esta discrepância levanta dúvidas sobre se foi convocado para participar no júri e se foi corretamente analisado pelo tribunal”, pode ler-se na moção, segundo a publicação “Law & Crime”.

No mesmo documento, a defesa admite que erros relativos ao júri geralmente não significam a anulação de um veredito, mas caso o jurado 15 não seja a pessoa que diz ser, os advogados consideram que foi uma violação do processo. 

Este é apenas um dos pontos apresentados na moção. A defesa de Amber Heard alega também que Johnny Depp não perdeu o trabalho em “Os Piratas das Caraíbas” graças ao artigo que assinou no “The Washington Post”. E dizem que, se Heard acredita que foi vítima de abusos, um júri não pode considerar que agiu com maldade, pelo que não pode ser condenada por difamação.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA