cultura

Ator setubalense dá voz a uma das personagens de “A Dama e o Vagabundo”

A New in Setúbal falou com José Nobre, que interpreta o papel de um cão de rua, no live action, lançado a 12 de novembro.
A famosa cena do esparguete com almôndegas.

É oficial, o ator José Nobre vai dar voz a uma das personagens da versão portuguesa do live action de “A Dama e o Vagabundo”, que chega a 12 de novembro, terça-feira, à plataforma de streaming Disney+, lançada no mesmo dia, nos Estados Unidos. Ainda não há data de estreia anunciada em Portugal.

O setubalense, de 46 anos vai fazer o papel de um dos cães de rua, conhecido de Vagabundo, que apesar do ladrar forte, se revela muito medricas. “É uma cena cómica, onde este cão preto se cruza com a Dama e começa a ameaçá-la. O Vagando que está assistir a tudo numa varanda, afirma que está ali uma ‘fera’. O cão pensa que é com ele e fica todo inchado, mas na verdade o protagonista está a falar da Dama e ele no fim acaba por se encolher e ir embora”, começa por explicar José Nobre.

Para quem já não se lembra, o filme da Disney lançado originalmente em 1955 conta a história de amor entre a cocker spaniel Dama e o rafeiro de rua, Vagabundo. A cadela fugiu de casa, depois de os seus donos terem tido uma filha. É salva de uma matilha perigosa por Vagabundo, que a ensina a viver, de uma forma livre e sem coleira. A cena mais icónica do filme é o jantar romântico, à luz das velas, onde o casal partilha um prato de esparguete com almôndegas.

A poucas semanas da estreia do live action, com realização de Charlie Bean, responsável por “The Lego Ninjago” e produção de Brigham Taylor, a New in Setúbal esteve à conversa com José Nobre, que falou do seu percurso como ator, da forte ligação ao ator Manuel Bola e da experiência de 13 anos na dobragem de filmes de animação, anúncios publicitários, documentários da National Geographic e séries do Disney Channel.

Tudo começou aos 16 anos, quando o ator se inscreveu na disciplina de Teatro no 9.º ano, na Escola Ana de Castro Osório, em Setúbal. “Na altura, o curso era lecionado pelo ator Duarte Vítor, que me disse que estavam a abrir vagas para estagiário no TAS — Teatro de Animação de Setúbal. Eu concorri e acabei por ser chamado, para minha grande surpresa”, conta.

Curiosamente, no ano em que estava a dar na escola o texto de Gil Vicente, “Auto da Barca do Inferno”, José Nobre é convidado para fazer o papel do enforcado, na peça produzida pelo TAS. “Na altura, eu não percebia muito bem o texto nem o que as palavras queriam dizer”, confessa. 

“Por isso, fui com um caderninho ao camarim do Manuel Bola, que é uma das minhas grandes referências de atores de teatro, perguntar-lhe o significado de alguns termos. Ele explicou-me tudo muito bem. Como tenho facilidade de memorização, a partir daí até passei a substituir colegas noutros espetáculos”, revela.

Entre 2006 e 2010, foi trabalhar para o Teatro da Malaposta, em Lisboa ao lado do ator Fernando Gomes, que interpretou o papel de Júlio, o avô adotivo de Neco, na série da SIC, “A Minha Família É Uma Animação” (2001), centrada na vida de um irrequieto desenho animado.

José Nobre conta que 2006 foi um momento de viragem na sua carreira, uma vez que além do teatro começou a fazer dobragens em documentários na National Geographic, por ter “um timbre grave e muito parecido com as vozes dos afro americanos”.

A sua grande estreia nas dobragens deu-se em 2006, com filme da Disney, “O Selvagem” (The Wild), como pinguim. Desde esse momento, a sua carreira dividiu-se entre as dobragens na National Geographic e as produções da Disney, juntando-se depois as participações em spots publicitários, videojogos e séries da Disney Channel, como “Gravity Falls”.

Nos filmes de animação destacam-se os papéis em “Zootrópolis” (2016) e mais recentemente como Mufasa, no live action de “O Rei Leão” (2019). Em 2017, José Nobre fundou o TOMA — Teatro Oficina Multi Artes, “uma associação cultural setubalense dedicada ao ensino do teatro, com oficinas e workshops para jovens atores”. Em setembro deste ano, o ator integrou a lista de personalidades distinguidas pela Câmara Municipal de Setúbal como embaixador da cidade.

Carregue no vídeo e veja o trailer completo do live action de “A Dama e o Vagabundo”. 

tags: "A Dama e o Vagabundo", dobragens, José Nobre, live action, National Geographic, setúbal, Teatro TOMA