cultura

“All Together Now”: tudo o que já sabemos sobre o novo programa de Cristina Ferreira

Gisela João será a presidente do júri, a que irá desempatar, se for caso disso. O concurso está a ser gravado na Altice Arena.
Gisela João é a principal jurada.

Estreia em março o novo programa de Cristina Ferreira na TVI, “All Together Now”, revelou à NiT a apresentadora e diretora de Entretenimento e Ficção do canal. Vai ser um formato que irá ser transmitido aos domingos à noite e que vai durar cerca de uma hora e meia, foi anunciado esta sexta-feira, 12 de fevereiro, na apresentação oficial do concurso de talentos.

As gravações estão a acontecer na Altice Arena, em Lisboa, e reúnem um painel de 100 jurados. Eles vão avaliar os concorrentes que irão cantar e tentar chegar longe no programa. O valor do prémio final ainda não foi divulgado.

O que já sabemos é que a fadista Gisela João vai ser a presidente do júri — se for caso disso, é ela quem irá desempatar a decisão dos colegas. Outros nomes já confirmados, de várias áreas, são Rita Pereira, Pedro Teixeira, Fernanda Serrano, André Henriques, Nininho Vaz Maia, Lurdes Baeta, Rui Baeta, Joaquim Sousa Martins, Solange Hilário, Dianna, Paulo Sousa, Ricardo Soler e David Gomes.

Vários animadores da Rádio Comercial também fazem parte do painel. O bailarino e coreógrafo Cifrão faz ainda parte da produção, mesmo que num outro papel.

“É ela que nos traz a alegria diária de ser uma mulher sem medos e de lhe dizer o que lhe apetece”, diz-nos Cristina Ferreira sobre Gisela João. A fadista admite que já chorou algumas vezes durante as gravações emotivas do programa.

“Sou cantora e sei qual é a coragem necessária para se estar aqui e estar aberta ao julgamento até de pessoas que estão em casa. Apetece-me logo abraçá-los a todos e dizer ‘és o maior, és o maior’. Mas na vida é importante que nos digam as coisas necessárias. Às vezes ouvir uma coisa menos boa pode-nos levar por um caminho que está à nossa espera e que ainda não encontrámos”, explicou Gisela João, acrescentando que também vai cantar um pouco em “All Together Now”. 

E deixa a garantia da qualidade dos concorrentes: “Há duas pessoas que passaram por aqui que tenho a certeza de que este País ainda vai ouvir falar muito”. Cristina Ferreira explicou que alguns dos candidatos são completamente novatos, enquanto outros podem ser músicos profissionais pouco conhecidos mas com vários anos de experiência.

A apresentadora destacou ainda o papel que o programa tem em dar emprego a figuras do mundo da música — e a técnicos de televisão — que, de outra forma, não teriam trabalho nesta altura de confinamento.

A apresentação aconteceu a 12 de fevereiro.

“Se não existisse [o programa] estas pessoas estariam em casa sem trabalho. Deixa-nos felizes que possamos contribuir para que a cultura e o espetáculo continuem a existir e para que se possam levar ao público.”

Por causa da pandemia, “All Together Now” vai ser gravado sem público presente. O júri não vai conhecer a história dos concorrentes antes das audições — nesse momento só vão conseguir avaliar a voz e performance de cada um dos candidatos. E ainda há inscrições abertas para a produção da Shine Iberia.

Outro dos temas falados foi o da questão da segurança em tempos de pandemia — já que vários fãs nas redes sociais têm criticado o facto de estar a ser gravado um programa com tantos intervenientes nesta altura. Cristina Ferreira respondeu.

“As atividades televisivas continuam, não foram proibidas, aqui e no mundo inteiro. Este mesmo programa está a ser gravado em períodos de confinamento noutros países, da mesma forma. Estão a ser cumpridas todas as medidas de segurança que considerámos necessárias.”

Cristina Ferreira diz que a escolha da Altice Arena como palco do “All Together Now” também teve a ver com isso, por ter muitos camarins e pequenas salas onde todos os jurados podem estar de forma isolada. Os membros do júri vão entrar na sala em pequenos grupos e irão estar separados por acrílicos nos seus cubículos. Antes de entrarem na Altice Arena, têm de dar negativo a um teste feito no momento.

A diretora de Entretenimento e Ficção da TVI defendeu ainda como a televisão é “essencial para a saúde mental e para o respirar do público que tem na televisão uma ponte para a diversão”. “Outros canais de televisão continuam a gravar programas, alguns possivelmente até com mais pessoas.”

“O programa a que a Cristina se estava a referir é o Hell’s Kitchen, também produzido pela Shine”, referiu uma fonte da TVI logo a seguir.

Cristina Ferreira criticou também alguma imprensa por terem publicado notícias onde se questionava a segurança do programa. A apresentadora diz que o trabalho precisa de continuar a ser feito e o que se faz é minimizar os riscos.

A apresentadora regressa ao horário nobre de domingo.

“Acho que entendem que aquilo que menos queremos na vida é que haja uma infeção generalizada de uma série de profissionais que fariam com que a nossa empresa tivesse de fechar momentaneamente. Mais do que qualquer outra pessoa, queremos que as coisas corram da melhor forma. Mas temos a nossa missão. Tal como há fábricas onde trabalham 300 pessoas e que não pararam. O que fazem? Cumprem as regras ao máximo para que se tente impedir que haja um novo caso de contaminação e nós fazemos isso desde o início em qualquer programa.”

No regresso de Cristina Ferreira ao horário nobre, onde já não tinha um programa há três anos, a apresentadora conta que nas gravações já viveram “momentos felizes e também de tristeza”. “Já houve pessoas que saíram daqui tristes com o desfecho da sua prestação.”

A apresentadora comentou também o facto de ter pela frente, como concorrência direta, o primeiro programa de Ljubomir Stanisic na SIC, “Hell’s Kitchen”.

“Eu sei que tenho um produto extraordinário, não vi ainda o produto do Ljubomir. Tendo em conta aquilo que conheço dele, será certamente um registo no seu estilo e também ele um programa extraordinário. São os portugueses que decidem, podem ver aquele que quiserem. Aliás, podem ver os dois se assim o entenderem. Eu não mudei uma vírgula neste programa porque no outro lado ia ter o Ljubomir, tal como não mudo em nenhum outro programa de televisão.”

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA