compras

Ourivesaria Carlos & Manuel: a joia da Baixa tem mais de 30 anos de história

Célia Encarnação começou por vender porta a porta as suas peças. Hoje é dona de uma das lojas mais antigas da cidade.
Fica na Rua Álvaro Castelões, perto da Praça do Bocage.

A Ourivesaria Carlos & Manuel é, sem dúvida, uma das lojas mais famosas da Baixa. O brilho da montra dos relógios, alta joalharia, filigranas, colares, anéis e pulseiras têm sido belos motivos para convencer gerações de setubalenses a passarem por lá ao longo dos últimos 30 anos. O espaço fica, como quase toda a gente sabe, no número 88 da Rua Álvaro Castelões.

Célia Mendonça Encarnação, 75 anos, é o rosto do negócio familiar, que já vai na terceira geração. Nasceu na Moita, mas veio morar para Setúbal quando tinha 25 anos.

“Comecei este negócio do zero. Fiz venda particular na década de 70 essencialmente de prata, ouro e todo o tipo de artigos de ourivesaria. Corri o distrito de Setúbal de uma ponta à outra de carro. Saía de manhã e voltava à noite ”, começa por contar à New in Setúbal.

O mais curioso é que o transporte de todos os artigos de ourivesaria era feito — imagine só — numa mala especial, que Célia carregava sozinha até à casa dos clientes. “Os tempos eram outros e nunca tive problemas”.

Da venda direta, Célia ficou com uma “carteira de clientes fiel”, que passou a frequentar o primeiro espaço físico da marca Carlos & Manuel, fundado em dezembro de 1988. “Abrimos na Rua Pereira Cão, antes da época do Natal e tivemos logo muita procura de joias”.

A marca teve ainda outro espaço na Rua do Romeu, perto da Praça do Bocage. Atualmente, a sede é na Álvaro Castelões e o negócio é 100 por cento familiar. Célia trabalha no escritório, juntamente com o marido Manuel Encarnação. Esta área “é uma espécie de backoffice da ourivesaria”, onde tudo acontece e são tomadas as decisões importantes. 

Maria João Encarnação, nora de Célia, está ao balcão e é quem atende o público, ao lado do marido Carlos. A representar a nova geração da família está Joana Encarnação, 26 anos, conhecida simplesmente por Kika. Tal como a avó, ela fundou uma marca própria: a Kukka, que vende correntes feitas à mão para telemóveis e óculos — as peças também estão à venda na loja.  

Há peças para todos os gostos e idades.

“A abertura desta loja, em 1997, teve um grande impacto na Baixa por causa das montras muito modernas, que contrastavam com as ourivesarias mais tradicionais”, conta Célia Encarnação. Nessa altura — tal como acontece hoje em dia —, as alianças eram as peças mais populares da Carlos & Manuel.

Vários dos casais que compraram lá os anéis para o casamento, regressaram 25 anos depois para as bodas de prata. “Tivemos um casal que comprou aqui os anéis de casamento e 25 anos depois regressou para trocar as alianças mesmo dentro da loja, por ser um sítio especial para eles”. 

A ourivesaria também é conhecida pelos relógios de luxo, dos mais clássicos aos atuais, joalharia tradicional portuguesa e design de peças exclusivas e personalizadas, feitas na oficina da marca. Nixon, Hublot e Cartier são algumas das marcas mais procuradas pelos clientes.

tags: Baixa, jóias, negócio familiar, Ourivesaria Carlos & Manuel, relógios, setúbal

outros artigos de compras

mais histórias de Setúbal