compras

Charroque da Prrofundurra lançou uma coleção divertida dedicada à Covid-19

Os modelos de T-shirts e máscaras inspirados na pronúncia setubalense estão disponíveis na loja online da marca.
Há vários tamanhos.

A Charroque da Prrofundurra é, sem dúvida, a marca mais original de Setúbal. Tudo começou como uma brincadeira num blogue de humor criado pelo setubalense Rui Garcia, que rapidamente evoluiu para um negócio a sério e que hoje já é conhecido em Portugal e no estrangeiro.

O objetivo é só um: manter vivo o dialeto charroco característico da cidade através de coleções originais e divertidas para toda a família. Se visitar o site , não vai precisar de pesquisar muito para encontrar várias coleções hilariantes.

A mais recente é dedicada à Covid-19. Como sempre, conta com expressões típicas e muitos ‘erres’ à mistura. Nesta fase de confinamento, as máscaras reutilizáveis são dos produtos que estão a fazer sucesso. “Detesto Usárr esta Mérrda”, “Há Azárr” são as mensagens disponíveis.

As máscaras certificadas são de algodão e poliéster de dupla camada, com fitas elásticas para as orelhas em tecido hipoalergénico. São resistentes até 25 lavagens. Os preços começam nos 5€.

As máscaras.

Para combinar com as máscaras, pode sempre comprar as T-shirts “Csafoda Covid” ou “Porra Pó Covid”, as duas a 15€. Os tamanhos das T-shirts vão do S ao 3XL. Como é habitual, pode fazer as encomendas na loja online do Charroque da Prrofundurra.

Afinal, como surgiu a pronúncia charroca?

O charroco é uma das imagens de marca de Setúbal. Basta passar pela frente ribeirinha da cidade ou no Mercado do Livramento para ouvir os pregões dos pescadores dos comerciantes a carregar no ‘r’ em todas as expressões. 

O que provavelmente muitos não sabem é como tudo nasceu. A resposta é mais simples do que pensa. Setúbal tinha muitas fábricas de conservas e a maioria delas era gerida por empresários franceses. Por isso, para tentarem comunicar, os trabalhadores adicionavam o ‘r’ sempre que falavam. 

As expressões foram passando de geração em geração e ficaram até aos dias de hoje. Com o objetivo de manter viva a tradição do sotaque, Rui Garcia, formado em engenharia florestal, começou por criar um blogue com textos originais e que se tornou um sucesso nas redes sociais. A partir de uma brincadeira, o projeto evoluiu para uma marca Charroque da Prrofundurra, inspirada na figura do Charroque, um pescador setubalense que anda de traineira e está sempre metido em aventuras em alto-mar.

“Ahh miga… tás assim cá do quê?”, “Apá sóce deslarrgame da mão”, “És maio feio có batelão da Sécil” e “Vais du ferry ó du catámarran?” são algumas das frases mais emblemáticas que aparecem nos artigos da loja.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA