compras

Arrependeu-se de uma compra online? A H&M pode começar a cobrar devoluções

A marca sueca está a testar um modelo que a vai levar a pensar duas vezes antes de adicionar uma nova peça à lista de desejos.
Os testes já começaram na Noruega e no Reino Unido.

As idas ao shopping são cada vez menos motivadas pela compra de determinada peça de roupa, por exemplo. Muitos consumidores já preferem o comércio eletrónico, e muitas vezes, a deslocação à loja física só acontece em caso de troca. Com a esmagadora maioria das marcas a terem venderem online, a facilidade em encontrar tudo o que procuramos em meros segundos acarreta um problema. Não podemos tocar, sentir e, sobretudo, experimentar as peças. A probabilidade de ser preciso trocar o artigo, quando o recebemos, é muito maior.

Até ao momento, a devolução das encomendas feitas pelo site da H&M está isenta de despesas. Porém, o modelo de e-commerce da retalhista sueca pode estar prestes a mudar, no âmbito do processo de redução de custos. A empresa está a estudar a implementação de uma série de medidas para fazer face ao aumento do valor das matérias-primas e dos custos com o transporte. Uma delas é a aplicação de uma taxa de devolução às compras feitas online.

“Estamos a testar [o modelo] como uma possível medida que poderemos implementar. Vai depender da forma como os clientes reagem”, explicou Helena Helmersson, diretora-executiva da H&M em declarações ao site “The Business of Fashion”

A etiqueta sueca vai começar a testar a aplicação da taxas na Noruega e no Reino Unido em breve. Não foi revelada a duração deste período de teste, nem o valor que será cobrado por cada devolução.

 

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA