compras

A marca portuguesa de sapatilhas que está a brilhar no novo filme da Netflix

As sapatilhas Minimal High da DiVERGE foram usadas por Felicity Jones em algumas cenas de "The Midnight Sky".
É Felicity Jones quem calça as sapatilhas.

Chama-se “The Midnight Sky” e é a nova grande aposta que chegou à Netflix a 23 de dezembro. Quatro dias antes de as filmagens começarem, George Clooney foi hospitalizado. O realizador e ator principal do filme tinha perdido 13 quilos para o papel — e esse processo aconteceu demasiado rápido para o seu corpo de 59 anos.

As críticas internacionais são medianas. Há quem elogie o tom emocional e a ambição da história, além dos cenários visualmente impressionantes, mas também quem diga que não se compara com outros filmes do género que estrearam nos últimos anos e que têm mais qualidade — pode saber mais sobre o formato no artigo da NiT.

Ainda assim, “The Midnight Sky” está agora a receber atenção mediática no nosso País por um motivo  bastante improvável: é que as sapatilhas usadas por Felicity Jones em algumas das cenas foram criadas por uma marca portuguesa de calçado. “Esta escolha por uma produção cinematográfica de Hollywood deixa-nos muito orgulhosos, mas mais do que isso, demonstra o grande potencial que a DiVERGE tem enquanto marca de sneakers”, começa por dizer à NiT João Esteves, de 44 anos, co-fundador do projeto.

Em destaque está o modelo Minimal High, umas sapatilhas-bota brancas que foram customizadas especialmente para a atriz. Foi a responsável pelo guarda-roupa do filme que encontrou a DiVERGE através de um dos seus anúncios feitos em media digital. “Ficou muito entusiasmada quando percebeu que todos os nossos sneakers são customizáveis e que podíamos facilmente introduzir elementos que combinassem ainda melhor com a roupa que a Felicity Jones iria usar”, continua o empresário. 

diverge
Uma das cenas da atriz em que se pode ver as sapatilhas.

No caso, o que fizeram foi colocar a peça do calcanhar em azul petróleo. A proposta de valor desta marca portuguesa assenta nisso mesmo: possibilitar que cada cliente crie as sapatilhas que melhor se adequam ao seu gosto ou necessidades específicas. “Foram encomendados 12 pares, no total, para a Felicity Jones e para os duplos”, revela.

A história da DiVERGE começou há 15 anos, quando um grupo de amigos com carreiras construídas em diferentes setores se apercebeu que queria criar o seu próprio negócio. Além de João Esteves, também Maria Neves, de 40 anos, Ivo Conde e Silva, de 47, Inês Pinto de Almeida, de 33 e Ricardo Caupers, de 44, foram deixando o tempo passar até que, no início de 2018, concluíram que partilhavam a mesma frustração em relação à compra de sapatilhas.

“E se o negócio dos sneakers fosse diferente e, em vez de comprar o que o mercado oferece numa determinada estação, pudéssemos ter uma personalização absoluta?”, recorda João sobre a conversa. O que eles queriam era poder escolher a pele, as solas e todas as cores de um par de sapatilhas, de forma a adequá-las às suas identidades “ao mais ínfimo pormenor”.

E continua: “O nosso ponto de partida era permitir a cada pessoa contar a sua própria história através dos sneakers que usa”. Desta motivação surgiu o impulso para avançar com um projeto inovador a que chamaram DiVERGE — um nome que transmite essa mesma ideia de divergir em relação aos outros. Esta marca online portuguesa foi lançada oficialmente há pouco mais de um ano e permite criar sapatos 100 por cento customizáveis, fabricados em Portugal e procurados por clientes em mercados como a Alemanha, Estados Unidos, Inglaterra e Itália (que já representam cerca de 70 por cento das vendas).

“Até chegarmos ao nome da marca passámos por mais de cem alternativas”, recorda João Esteves. Para desenvolverem os primeiros modelos, queriam fazer testes exigentes, já que a qualidade é um aspeto crítico do negócio. Para garantir que as sapatilhas eram mesmo resistentes, deram dois pares aos seus filhos adolescentes, com instruções para os tentarem destruir “o mais rapidamente possível”. “Ainda hoje são eles os testers da marca”, acrescenta o co-fundador.

Agora, vai poder ver este produto nacional nas cenas em que Felicity Jones é uma astronauta grávida a bordo de uma nave espacial que viaja para salvar a humanidade. A confirmação da escolha da marca para os looks da atriz em “The Midnight Sky” veio no início de 2020, mas só no final de dezembro se tornou possível ver as cenas no ecrã.

“A DiVERGE é uma marca relativamente nova e tem um longo caminho pela frente. Eventos como este ajudam a percorrer esse caminho de forma mais rápida, pois aumentam a notoriedade e o equity da marca, mas não prevemos um efeito significativo em termos de vendas no curto prazo”, diz João Esteves. “Temos tido um excelente feedback dos EUA, com diferentes personalidades a chegarem a nós. É sinal que estamos a fazer as coisas bem feitas naquele mercado.”

Sobre o ano que está agora a começar, o empresário reforça que será “de crescimento”. “Além de expandirmos a nossa atividade nos principais mercados, iremos também consolidar a nossa plataforma tecnológica e apresentar várias novidades em termos de portefólio com vários projetos, na sequência do que fizemos, por exemplo, com o Manicómio”. 

O projeto a que se refere foi a criação das primeiras sapatilhas do mundo desenhadas por um artista experiente com uma doença mental, de forma a ajudar a transformar a área da saúde mental, valorizar a criatividade e derrubar os estigmas. O lançamento foi noticiado em outubro do ano passado pela NiT.

Todas as sapatilhas da DiVERGE estão à venda através da loja online, onde vai encontrar dezenas de modelos que podem ser personalizados de inúmeras formas — incluindo as Minimal High usadas por Felicity Jones (e que estão à venda com preços a partir de 157€).

diverge
As Minimal High com o calcanhar em azul petróleo.

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA