comida

Semana da Caldeirada: revelamos os segredos para um prato perfeito

O chefe Rui Praxedes partilhou com a New in Setúbal uma receita da tradicional caldeirada à setubalense.
A degustação comentada é no dia 5 de maio, domingo, na Casa da Baía.

É já entre os dias 27 de abril e 5 de maio, que chega a Setúbal mais uma Semana da Caldeirada. Vai poder comer um dos pratos típicos da cidade do Sado em 36 restaurantes do Concelho e escolher o seu spot de eleição.   

Tal como nas edições anteriores, além das ementas especiais de caldeirada, o programa inclui uma degustação comentada no último dia do festival gastronómico a 5 de maio, domingo. O evento, na Casa da Baía está marcado para as 18 horas e será conduzido pelo chefe Rui Praxedes, do restaurante O Praxedes.

Na sessão, o cozinheiro vai confecionar um menu especial de degustação de caldeirada à setubalense e revelar alguns truques para um sabor perfeito. A atividade é de participação gratuita, mas tem de se inscrever até 2 de maio, quinta-feira. Pode fazê-lo presencialmente na Casa da Baía, pelo telefone 265 545 010 ou através do mail gape@nullmun-setubal.pt.

A New in Setúbal falou com Rui Praxedes, que partilhou uma receita da típica caldeirada à setubalense. Ora, aponte bem:

Do que precisa: 

  • — safio
  • — raia
  • — tremelga
  • — charroco
  • — tamboril
  • — pata-roxa
  • — enguias ou eirós (opcional)
  • — alho
  • — cebola
    — coentros
    — tomate
    — azeite
    — sal
    — pimentos verdes
    — amêijoas
    — polpa de tomate
    — picante
    — batatas às rodelas
  •  
  • Como se faz:

  • Coloque a amêijoa em cru no fundo do tacho e junte uma camada de cebola. Em seguida o alho, coentros, tomate e pimento verde. Adicione as batatas cortadas às rodelas e espalhe as várias qualidades de peixe por camadas e de forma equilibrada ao longo do tacho.
  •  
  • Na parte superior junte um pouco de polpa de tomate para dar cor ao prato. No final, regue com água e ponha tudo a cozer em lume brando. Normalmente, o caldo depois é aproveitado para fazer a tradicional massinha de caldeirada com cotovelinhos e hortelã. Também pode confecionar uma caldeirada com um único peixe, como safio, raia, pata-roxa, enguias, entre outros.
  •  
  • Alguns truques:

  • — Nunca mexer com a colher, mas antes agitar ou sacudir o tacho.
    — Servir o prato sempre pela mesma pessoa, pois o segredo está numa divisão equilibrada dos peixes, batatas e caldo.
    — Ter atenção ao tempo de cozedura para evitar que o peixe se desfaça ainda no tacho.
  •  
  • A origem da caldeirada, que significa uma “mistura” de algo está nos navios antigos. No passado, como forma de aproveitar os peixes com pouco valor comercial e que já não serviam para venda, os pescadores começaram a confecionar o prato a bordo para se alimentarem.
  •  
  • Ao longo dos anos, esta especialidade foi evoluindo, com os chefes a adicionar cada vez mais qualidades de peixe. E assim aquilo que não passava de um reaproveitamento do pescado mais barato, hoje tornou-se num prato “rei e senhor” da gastronomia nacional e setubalense.

tags: caldeirada à setubalense, degustação comentada, receita, Rui Praxedes, Semana da Caldeirada