comida

Neste restaurante a ementa é feita à medida das suas alergias e intolerâncias

No Museu do Petisco não há receitas fechadas nem preços definidos para cada prato.

O restaurante só funciona com pré-reservas.

Chama-se Museu do Petisco e é um restaurante que tem um conceito tão único como inovador. Ao contrário do que é habitual, aqui não há uma ementa fechada e preços definidos para cada prato. É tudo decidido em função do cliente, particularmente das suas alergias ou intolerâncias alimentares.

No restaurante, que fica na Estrada das Machadas de Cima, o processo é simples: os clientes marcam mesa por telefone, por mail ou através do chat do Facebook do restaurante. Neste momento que é pedido a cada cliente que identifique as suas intolerâncias ou alergias alimentares. O valor e as sugestões de ementa são depois enviadas por e-mail para o cliente e aprovadas. Se quiser, pode optar por descobrir só no próprio dia as iguarias que vai comer. 

Além de pratos para vegetarianos, diabéticos, celíacos ou simplesmente apreciadores de comida macrobiótica, o Museu do Petisco apresenta ainda uma enorme variedade de pratos de cozinha de fusão. Pode contar com a tala, bolonhesa de soja e especiarias com puré de maçã, torresmos vegetarianos e salada de ovas vegetariana.

Apesar de não haver preços definidos, o valor mínimo ronda os 15€ por pessoa. E também não há horários fixos, porque o espaço só funciona através de pré-reserva.

Os nomes dos pratos são, no mínimo, originais e escolhidos maioritariamente pelos clientes. O rabadão, um bife da rabadilha com molho de três pimentos em pão com salada é um exemplo. Algumas das especialidades são o entrecosto medieval transportado da Feira Medieval de Palmela, o pão de fogaça, pão de batata doce, entrada de rei, camarão em cama secreta de rúcula e o famoso lobo do mar, composto por vieiras, ostras e camarão ao sal, acompanhados por três vinhos licorosos.

Das sobremesas, o destaque vai para o pão-de-ló do Museu, com crumble de amendoim, moscatel de Setúbal e travo de limão, a mousse de chocolate com flor de sal e pimenta rosa e o petit gateaux de amendoim. Para acompanhar, regue tudo com vinhos da Península de Setúbal ou com a sangria detox n’ tox e de espumante.

Há uma sala para receber os convidados.

João Gomes, 50 anos, designer gráfico e Sandra Contente, 39 anos, chefe de cozinha no ramo da hotelaria foram os mentores do projeto. Sandra começou por trabalhar na cozinha do restaurante da marina de Tróia. Como a situação laboral de João se tornou instável, e já tinha o gosto da cozinha enraizado desde miúdo, o casal decidiu abraçar o desafio. O primeiro Museu do Petisco nasceu em Palmela, em junho de 2015. Só em setembro de 2016 é que o restaurante mudou de instalações e se fixou na Estrada das Machadas de Cima.

Inicialmente, o espaço era para se chamar Tachos e Panelas, mas um acontecimento de família inverteu a decisão. “Houve uma tia do João, que faleceu e deixou várias louças antigas. Depois a mãe dele juntou-as com as da avó. Ficámos com tantas, que parecia um museu e como queríamos que fosse uma petisqueira, juntámos a parte do museu com petisco”, conta à New in Setúbal, Sandra Contente. 

Além da vertente gastronómica, o Museu do Petisco é um espaço cultural. Tem uma rubrica própria e já famosa, o Tacho e Fado. É sempre ao jantar, começa com um welcome drink e entradas. Depois segue-se um prato único e na hora do fado não podem faltar na mesa uma tijela de caldo verde e uma tábua de queijos e enchidos. No fim há sobremesas. É um momento de tertúlia, com o palco aberto, onde o público é convidado a cantar, tocar e até declamar poemas.

A decoração é virada para a música, pintura e artesanato. As pinturas dos músicos portugueses são quase todas da autoria de Sandra Contente. O espaço recebe pessoas dos 2 aos 90 anos e é mais indicado para grupos, mas também organiza jantares românticos.

Quem manda nisto tudo

Nome: Sandra Contente/João Gomes
Idade: 50/39
Prato favorito: Forrado de choco com camarão/Migas de sapateira
Guilty pleasure: Arte/Música
Convença-nos a visitar o espaço: “É uma experiência, que aguça todos os sentidos, mas só vai perceber vivenciando-a”

tags: celíacos, cozinha de fusão, diabéticos, macrobiótico, Museu do Petisco, reservas, Tacho e Fado, tala, torresmos vegetarianos, vegetarianos

localização, contactos e horários

morada
  • Museu do Petisco [ver mapa]
    Estrada das Machadas de Cima
    2900-469 Setúbal
site e redes sociais

ficha técnica

intervalo de valores
Entre 20€ e 30€
wifi disponível?
Sim
aceita reservas?
Sim

outros artigos de comida

mais histórias de Setúbal