comida

Há uma marca setubalense de conservas gourmet com produtos 100% nacionais

As Conservas Belmar têm 17 referências de sardinha, cavala e atum.
Gourmet from Portugal.

A poucos dias do arranque da Semana do Carapau e da Sardinha, que decorre de 24 de agosto a 1 de setembro, a New in Setúbal foi conhecer a história das Conservas Belmar, uma empresa de enlatados de peixe gourmet, à base do pescado mais fresco da costa nacional. Há 17 referências diferentes de sardinha, cavala e atum.

As linhas são organizadas, de acordo com uma lógica cromática: sardinha (verde), cavala (azul) e atum (rosa). Há sardinhas em azeite, limão, sem pele e sem espinha, em tomate, picante e ovas. Na gama da cavala, pode provar filetes em azeite picante, em tomate e as cavalinhas. E ainda filetes de atum em azeite e tomilho, azeite e orégãos, azeite picante ou simplesmente azeite.

A marca Belmar, que pertence à empresa GrowOut Investimentos surgiu em julho de 2016, pela mão de Afonso Rocha, 51 anos e da sócia Teresa Rocha, 45, uma vez que a família do casal já tinha ligações à indústria conserveira. O bisavô de Teresa, Vítor Ramos Reynaud era o proprietário da fábrica Ramos Reynaud, no fundo da Avenida Luísa Todi. O avô de Teresa foi dos últimos diretores-gerais da fábrica Saupiquet, em Setúbal. Já os tios-avôs de Afonso, JC Gargalo e Mariano Coelho também tinham fábricas de conservas de peixe.

A ideia inicial do casal era criar uma fábrica de produção própria, mas não foi possível. Daí que tenham lançado uma marca de raiz para a comercialização de conservas gourmet. “Na altura comprámos todas as conservas do mercado, entre nacionais e estrangeiras e com a ajuda de dois chefs portugueses, chegámos aos produtos que queríamos vender”, conta à New in Setúbal, Afonso Rocha.

O passo seguinte foi contactar os fornecedores exclusivamente nacionais e selecionar os produtos. “O nosso conceito passa por produzir conservas com produtos frescos e gourmet, trazendo de novo a tradição da indústria conserveira, mas adaptando-a à realidade atual”, explica o empresário.

Além da venda online, através do site e redes sociais Facebook e Instagram da marca, os produtos estão disponíveis em vários pontos da cidade de Setúbal, supermercados Apolónia e em lojas, no resto do País. Pode encontrar as várias referências na Casa da Baía, Loja Coisas de Setúbal, Mercado do Vinho, Mítica Lusa, Moinho de Maré de Mourisca, Erva Doce, Mafaria ao LargoCorktale STB, Botânica Tapas & Petiscos, 490 Taberna STBQuinta do Piloto, The Selector Store, Hotel Casa Palmela, em Palmela, By The Wine Azeitão. Os preços rondam os 3€ a 4,80€.

Há muitas opções para escolher.

A marca exporta também para França, Alemanha e Noruega. O nome Belmar é inspirado na expressão “belo mar português” e foi escolhido porque se pronuncia da mesma maneira em várias línguas. Este ano, as Conservas Belmar vão estar presentes na feira alimentar de Colónia (Alemanha), de 5 a 9 de outubro. Em breve, os proprietários querem lançar mais referências e uma linha biológica.

A tradição das conservas começou quando os franceses vieram para Portugal, no final do século XIX por causa do ciclo de peixe. A invenção deu-se por acaso, ao experimentarem tapar uma garrafa em vidro, com alimentos. Depois da fervura e esterilização, percebeu-se que era uma boa forma de conservar todas as propriedades e nutrientes dos alimentos durante muito tempo. A partir daí, a prática estendeu-se a outros países, sendo que Setúbal era um dos centros mais importantes da indústria conserveira, no nosso País.

Quem manda nisto tudo

Nome: Afonso Rocha
Idade: 51
Prato favorito: Ovas de sardinha
Guilty pleasure: Andar de barco
Convença-nos a visitar o espaço: “Conservas Belmar: para degustar e desfrutar”.

tags: atum, carapau, cavala, conservas Belmar, conservas de peixe gourmet, marca, peixe, sardinha, Semana do Carapau e da Sardinha, setúbal