comida

Descobrimos o cantinho escondido onde pode provar a melhor santola da cidade

A famosa marisqueira A Ratoeira tem uma nova gerência e o espaço foi remodelado. O objetivo é “seguir o caminho” do antigo dono.
É deliciosa.

Foi um presente inesperado que Mariya Kryvda recebeu na noite em que foi jantar com a família, como habitualmente, ao conhecido restaurante setubalense A Ratoeira. A filha, Mariya Kryvda — partilham o mesmo nome —, apresentou o antigo dono, o Sr. Júlio, à mãe, e disse: “Este senhor quer trespassar o negócio e eu quero que seja para si”.

Mariya Kryvda, 56 anos, natural de Drogobych, na Ucrânia, é gerente do famoso local, que fica no canto para a subida do Forte de São Filipe, desde julho de 2023. Mariya Kryvda, 37 anos, também ucraniana, comprou o local e ofereceu à mãe, que nunca tinha trabalhado na área, mas aceitou o desafio. Mariya [a mãe] estudou na escola de Drogobych e tirou o curso de massagista. Trabalhou depois num hotel, mas não estava feliz e recebia pouco dinheiro.

Em conjunto com o marido, Ivan Kryvda, decidiram mudar de país para procurarem uma vida que permitisse oferecer um futuro melhor aos filhos. Primeiro, foi Ivan que veio para Portugal, em 2001, e diretamente para Setúbal, porque era uma cidade “bonita e tranquila”, diz Mariya à NiS. Oito meses depois, veio Mariya e, desde que chegou, trabalhou nas limpezas. Após alguns trabalhos em obras, o marido é agora mecânico de barcos.

A principal diferença e dificuldade que encontraram em Portugal, em comparação com a Ucrânia, foi a língua portuguesa, que se revelou um entrave na procura de trabalho. Mariya começou por aprender sozinha, com pequenos apontamentos, mas depois estudou e conseguiu a residência. Entretanto, enquanto não ficava legal, esteve três anos sem poder ver os filhos, que ainda ficaram na Ucrânia.

Mariya Kryvda [a filha], tirou o curso de Enfermagem, na cidade de Poltava, e vivia em Drogobych. Entretanto, licenciou-se em Medicina Dentária e é esse a profissão que sempre exerceu. Vinha a Setúbal visitar os pais, mas a verdade é que desde o primeiro momento se apaixonou pela cidade e sentiu que pertencia aqui, onde mora há cerca de 16 anos.

Mariya [a mãe] andava “sempre cansada” do trabalho das limpezas. Como explicámos, foi num jantar comum que o negócio d’A Ratoeira foi oferecido. “Não conhecia nada da área, fiquei com receio e disse que não conseguia, mas a minha filha insistiu e disse que eu era muito desenrascada e a verdade é que, embora tenha sido difícil no início, agora estou a gostar muito”.

A experiência da New in Setúbal

A família é fã de marisco, sem dúvida. E é essa sempre foi especialidade da casa, em especial a santola, que faz com que algumas pessoas percorram vários quilómetros só para prová-la. Há, claro, arroz de lavagante e cataplana, por exemplo, mas a New in Setúbal passou pelo local e provou alguns dos pratos que integram o menu.

Todos os dias, Mariya vai ao mercado, logo de manhã, e tenta arranjar produtos locais, “de boa qualidade”. Ficou ainda com alguns fornecedores do antigo dono, já que, embora com algumas modificações, tenta “andar no mesmo caminho”: manter os clientes fidelizados e atrair novos.

O espaço foi recentemente remodelado. As obras terminaram há cerca de um mês. “Quis renovar as instalações para o cliente se sentir ainda melhor. Há nova pintura, novo balcão, casa de banho nova, mesas e cadeiras. Quem nos visita adora o espaço”, revela a gerente do spot onde não se confeciona carne, exceto para os petiscos.

Fomos servidos por Ana Rita, a colaboradora, que até explicou como é que se comia a santola. Começámos pelo vinho verde da casa (10€), que até vem como logotipo — também renovado — do espaço. Claro que é a combinação perfeita para acompanhar o marisco. Para entrada, serviram o queijo (4,5€), muito saboroso, cremoso e viciante, e azeitonas (1,5€), igualmente irresistíveis.

Veio para a mesa a travessa das amêijoas (20€). Se nunca provou este bivalve verdadeiramente fresco, então este é o sítio perfeito. Foram confecionadas e temperadas para não sobrar nenhuma no prato — e foi isso que aconteceu. Chegou a altura de provar a santola (36€ o quilograma), acompanhada por torradas (2,6€). Curiosamente, este é o prato que Mariya mais gosta de preparar.

A que chegou estava ovada (e fresca), o recheio não leva ingredientes extra, como é comum vermos em alguns estabelecimentos, o que destacou o sabor a marisco — e a “rio” — que tanto procuramos neste tipo de prato. Bem recheada e cozinhada, todos os pedaços saíam perfeitamente da casca, do recheio às patas. Para sobremesa, provámos a mousse e o leite creme caseiros (3,5€), que, como os restantes pratos, não desiludiram.

Carregue na galeria para conhecer o remodelado espaço e alguns dos pratos que pode provar.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua de São Filipe, 1
    2900-457 Setúbal
  • HORÁRIO
  • Terça-feira a sábado, das 12h às 15h
  • Terça-feira a sábado, das 19h às 22h
  • Domingo, das 12h às 15h
PREÇO MÉDIO
Entre 10€ e 20€
TIPO DE COMIDA
marisqueira

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA