comida

Atenção, setubalenses: A Faiena já reabriu (e o famoso cabrito está de volta)

Há novidades no menu, mas a tentativa de oferecer “qualidade” em todos os pratos mantém-se. O espaço abriu em novembro.
Vai adorar.

Foi uma faca que esteve na origem do projeto de Tânia e Tiago. Nada dramático, muito pelo contrário. Foi um presente necessário e que serviu de desculpa perfeita para darem um passo determinante e abrirem um novo negócio. O casal foi até Leiria, à casa do famoso Carlos Norte, e foi lá que uma faca de 19 camadas de aço japonês, de cada lado, e personalizada, vinha numa caixa de madeira, para oferecer a Tiago, que se emociona sempre que olha para o objeto.

Agora, no passado dia 19 de novembro, A Faiena reabriu portas pelas mãos de Tânia Evaristo, 41 anos, natural do Seixal, e Tiago Machado, 51, de Lisboa. Este é um restaurante bem conhecido dos setubalenses, já que os antigos proprietários, Guilhermina e Joaquim, alentejanos, tiveram o espaço durante cerca de 25 anos. Reformaram-se e A Faiena encerrou em 2018. Depois de outra gerência, que acabou por não correr como o esperado, é a vez do casal tomar conta do negócio.

Tânia é formada em Direção e Gestão Hoteleira, na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Trabalha em hotelaria desde os 18 anos e esteve sempre ligada à área da restauração. Durante a carreira profissional, foi rececionista, depois assistente de direção e passou a diretora de F&B (food and beverage) nas Pousadas de Portugal, durante cinco anos, de 2007 a 2011. Chegou a dirigir 17 pousadas da região de Lisboa e Alentejo. Foi diretora de F&B grupo Pousadas de Portugal, durante 5 anos, de 2007 a 2011.

Em 2010 e 2011, foi diretora da Pousada de Alcácer do Sal e assistente de direção do grupo a nível nacional. Foi para Angola, em 2012, trabalhar para o primeiro hotel de 5 estrelas do país, o Hotel de Convenções de Talatona. Esteve lá quatro anos, primeiro como no cargo de diretora de F&B, e depois diretora assistente e, por fim, diretora geral. Em 2016, voltou a Portugal. Trabalhou no grupo Luna, de 2017 a 2020, como diretora do Hotel Turismo de Abrantes e de 2020 até 2023 como diretora do Luna Esperança, em Setúbal.  

“Sempre desejei ter algo meu. Quando acabou a faculdade, não comecei de imediato porque achava que não tinha a experiência e o know-how necessário para isso. Por isso, ainda fiz estágios e programas que me levaram ao Brasil, ao México ou à Argentina. Tive diferentes experiências, dentro da área, que me permitiram conhecer um bocado de toda a realidade”, confessa à NiS.

No caso de Tiago, licenciou-se em Comunicação Social, na Universidade Católica Portuguesa. Trabalhou, de 1998 até 2005, na área. Foi diretor editorial de um grupo de revistas técnicas, de automóveis a informática, passou para o grupo Lobo, e depois no Som Livre, onde foi editor chefe. Em 2005, terminou o contrato, e sentiu mais do que nunca a urgência de arranjar outro emprego.

Trabalhou durante nove anos no Clube do Fado, em Lisboa. Esteve ligado a outros negócios, na área da mecânica, e fez outros investimentos, entretanto. Tirou um curso de fotografia, no Instituto Português de Fotografia, de 2008 a 2010. Passou também por várias redações, como fotojornalista. Por fim, antes de começar o novo negócio, esteve numa casa de fados em Alfama. Tirou o curso de cozinha, na Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal, que terminou em 2023. Aí, já estava com Tânia.

Conheceram-se através de uma aplicação de encontros, em 2017. “Trocámos várias mensagens antes de nos conhecermos pessoalmente, mas foi amor à primeira vista. Disse logo que ela tinha os olhos muito bonitos”, diz Tiago. Agora, têm um filho, o Afonso.

Durante a pandemia Tiago encontrou outra paixão inesperada: a cozinha. Apesar de já ter experiência como empregado de mesa, nunca tinha arriscado entrar naquele mundo.  A oferta da tal faca, depois de Tânia ver a curiosidade crescente de Tiago, foi o mote para começaram a pensar seriamente em encontrar um local para abrirem um espaço de restauração. Afinal, existia uma faca profissional que precisava de ter uso.

Começaram por procurar em Lisboa, mas depararam-se com a venda do espaço da A Faiena e Tânia ficou encantada pela “pacatez” do local, além da boa localização.

A experiência da New in Setúbal

A nossa equipa foi até ao local, para experimentar o menu do dia, além de pratos especiais. A decoração manteve-se idêntica à original, apenas sofreu uma limpeza visual para algo mais clean e confortável. A temática é em torno da tauromaquia, por isso, nos tetos estão pendurados chocalhos, além do fato de toureiro que está na parede.

O menu tem como base as carnes. Há, claro, pratos de peixe e marisco, mas a principal preocupação foi trazer à cidade um spot onde se pudesse comer um verdadeiro prato de carne, com o toque de confort food — não fosse o espaço conhecido pelo cabrito, que, neste caso, é confecionado a baixa temperatura e finalizado no forno. Edson António é o empregado de confiança de Tânia, já que veio de Angola para Portugal em busca de melhores condições e foi desde logo contratado para colaborar.

Começamos por provar, além do irresistível pão do faralhão, azeitonas temperadas e a manteiga de alho, cebolinho e pimento la vera (3€), a vieira com mayonnaise de ervas fumada e espargos (14€). Este é um prato que surpreende dos olhos ao estômago. O empratamento é cuidado, os sabores fundem-se na perfeição e há uma pequena surpresa. Vai encontrar salicórnia, a “alga do mar”, tão presente à beira Sado, na zona do Moinho de Maré da Mourisca.

Seguiu-se o prato do dia, que foi coelho à faiena com arroz de grelos (14€, menu completo). Esta receita, tipicamente alentejana, vai fazer com que quem não goste de coelho, passe a gostar. O panado é crocante, nada oleoso. O coelho está no ponto, assim como o arroz de grelos. À mesa, chegou ainda o rabo de boi desossado com puré de ervilhas e parmentier de queijo azul (16€). O blend de sabores é irresistível e intenso. A carne desfaz-se na boca, é tenra e de qualidade. Para terminar, provámos a tarte de nozes pecan com natas frescas (4,5€). Esta é uma receita muito famosa nos Estados Unidos da América e, garantimos: não precisa viajar para provar porque vai comer e querer repetir esta sobremesa. A harmonização dos pratos foi feita entre um branco e tinto Fonte do Nico, da Adega de Pegões.

Perto da icónica Praça de Touros, é um local de inspirações, de comida tradicional portuguesa, de conforto e onde o sabor de casa é indiscutível. A dedicação é constante e a preocupação com o sabor está em primeiro lugar. Além disso, está presente a forma de cozinha slow cooking, a baixa temperatura, e tenta aliar-se o bom gosto da comida, com o do empratamento. 

Carregue na galeria para conhecer o espaço e alguns pratos que pode provar na A Faiena.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua Luís Baptista, Nº6
    2910-007 Setúbal
  • HORÁRIO
  • Segunda-feira a sábado, 12h às 15h
  • Segunda-feira a sábado, 19h30 às 22h
  • Domingo, 12h às 15h
PREÇO MÉDIO
Entre 10€ e 20€
TIPO DE COMIDA
portuguesa

MAIS HISTÓRIAS DE SETÚBAL

AGENDA